Em reunião com Guedes, Camilo e Mauro Filho afastam possibilidade de fusão do BNB

Compartilhe:

O governador Camilo Santana (PT) e o deputado federal Mauro Filho (PDT) estiveram em na audiência da Bancada parlamentar nordestina em defesa do Banco do Nordeste (BNB), com o ministro da Economia Paulo Guedes nesta quinta-feira (28). Como resultado da reunião, o Ministro afastou a possibilidade de fusão do BNB com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

No entanto, Beto Almeida destaca o fato de que ainda não foi descartado a mudança da gestão do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), que hoje é de responsabilidade do BNB e pode ser repassado para responsabilidade do BNDES.

“Não deixa de ser um esvaziamento [do BNB], se isso ocorrer”, afirma Beto Almeida.

O jornalista também critica o fato de Mauro Filho ser deputado federal e estar comparecendo em reuniões fazendo o papel que, segundo os jornalistas, não é mais de sua competência, que é a função de Secretário de Planejamento.

Luzenor de Oliveira destaca que legalmente não é permitido haver o acúmulo de cargos e funções, ainda que, na prática, Beto Almeida afirme que isso não está sendo respeitado.

Frente política pelo Nordeste

Após as articulações do governadores, os presidentes das Assembleias Legislativas do Ceará, Pernambuco, Paraíba, Alagoas, Sergipe, Maranhão, Bahia, Piauí e Rio Grande do Norte se reunirem, nesta sexta-feira (29), em São Luiz (MA), para criar estratérias de fortalecimento das instituições e órgãos do governo federal com sede na região Nordeste, como DNOCS, Sudene e Codevasf.

Confira mais informações com o correspondente do Jornal Alerta Geral, Carlos Alberto:

Para Beto Almeida, o recado é claro: os presidentes das Assembleias entenderam que precisam se unir para ganhar notoriedade política e reivindicar com mais peso benefícios para a região Nordeste.

Compartilhe:

Leia a Anterior

Imposto de Renda pode ser utilizado para ajudar a combater o Câncer Infantil

Leia a Próxima

Deputado Denis Bezerra diz que Reforma “não tem nada de novo” e condena privilégios parlamentares