Entidades propõe taxar super-ricos para arrecadar dinheiro e usar no combate a Covid-19

De acordo com o jornalista Carlos Alberto Alencar, em seu comentário no Jornal Alerta Geral desta quarta-feira (25), a “ideia é ótima”, mas a questão é avaliar como será colocada em prática

Tributar os super-ricos pode arrecadar R$ 272 bilhões para serem usados contra a crise econômica, que será aprofundada pela crise de saúde pública produzida pelo coronavírus. É o que defendem a Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco), a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Anfip), os Auditores Fiscais pela Democracia (AFD) e o Instituto Justiça Fiscal (IJF).

Eles divulgaram um documento, nessa terça (23), com 14 propostas para serem implementadas a fim de amenizar os impactos econômicos da Covid-19 no país. De acordo com o jornalista Carlos Alberto Alencar, em seu comentário no Jornal Alerta Geral desta quarta-feira (25), a “ideia é ótima”, mas a questão é avaliar como será colocada em prática.

O jornalista explica que, desse total, R$ 100 bilhões iriam especificamente para um Fundo Nacional de Emergência. Os recursos para abastecê-lo sairiam da tributação da renda e do patrimônio dos super-ricos através da taxação de dividendos, grandes heranças e fortunas, entre outras medidas.

Confira na íntegra o comentário do jornalista Carlos Alberto Alencar:

 

Leia a Anterior

Ceará compra 350 mil testes rápidos para coronavírus

Leia a Próxima

Chuvas no Ceará: região Centro-sul deve concentrar precipitações até esta quinta