Fiocruz: 7,8 milhões de brasileiros não têm atendimento adequado

Unidade de Terapia Intensiva, UTI, Hospital, pacientes, tratamento, internação, equipamento hospitalar

Compartilhe:

Com o avanço do contágio de covid-19 para o interior do Brasil, com casos registrados em mais de 60% dos municípios do país e óbitos em 21%, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) alerta que mais de 7,8 milhões de brasileiros moram em lugares onde a distância para um local onde haja atendimento adequado para a doença seja de pelo menos quatro horas.

A análise foi feita por pesquisadores do Instituto de Comunicação e Informação em Saúde (Icict) da Fiocruz e divulgada hoje (21) pela instituição. A nota técnica, chamada de Regiões e Redes Covid-19: Acesso aos serviços de saúde e fluxo de deslocamento de pacientes em busca de internação, integra o sistema MonitoraCovid-19 (https://bigdata-covid19.icict.fiocruz.br/).

A situação é pior nos estados do Pará (com 2,3 milhões de pessoas distantes de centros de atendimento adequados), Amazonas (com 1,3 milhão) e Mato Grosso, com 888 mil. Nesses estados, mais de 20% da população mora em áreas que requerem até quatro horas de deslocamento até um município que ofereça condições de atendimento a casos graves de covid-19.

Segundo o relatório, é possível observar algumas redes de saúde mais descentralizadas, ou menos concentradas na capital, dentro dos estados como no caso de Ceará, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais.

O levantamento da Fiocruz levou em conta o atendimento de alta complexidade em saúde, com unidade de terapia intensiva (UTI), equipamentos e pessoal especializado para tratar doenças respiratórias graves e agudas. A Região Nordeste também apresenta um alto índice percentual da população sem acesso rápido ao tratamento adequado para casos graves.

Compartilhe:

Leia a Anterior

INSS paga segunda parcela do 13º a partir de segunda-feira

Leia a Próxima

Montagem de 200 novas UTIS em hospitais de Fortaleza e do interior é anunciada por governador