Polícia Federal terá quadro ampliado em 1.047 agentes e delegados

A medida faz parte das ações do Governo para recompor os quadros da Polícia Federal que, atualmente, têm um déficit de 4.350 servidores

A maior parte das vagas – 2.425, é de agentes / Foto: Reprodução

O Diário Oficial da União circula, nesta sexta-feira (24), o conteúdo do Decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro que autoriza a contratação de 1.047 aprovados em concurso público da Polícia Federal. Do total de contratações, 500 já estavam originalmente previstos no concurso. Dentre os 547 aprovados a mais pelo governo, 169 são delegados da PF.

A medida faz parte das ações do Governo para recompor os quadros da Polícia Federal que, atualmente, têm um déficit de 4.350 servidores. A maior parte das vagas – 2.425, é de agentes. O decreto destaca, ainda, que o provimento dos cargos está condicionado à nova Lei Orçamentária anual.

O  provimento dos cargos está condicionado à declaração do ordenador de despesa sobre a adequação orçamentária e financeira da nova despesa com a Lei Orçamentária Anual e a sua compatibilidade com a Lei de Diretrizes Orçamentárias, demonstrada a origem dos recursos a serem utilizados,
diz a nota.

+ O que dois especialistas – um favorável e outro contra – acham da flexibilização do porte e posse de armas de fogo?

No dia 14 de abril, em uma postagem no Twitter, Bolsonaro já havia anunciado que o governo chamaria 1.000 candidatos aprovados para compor o quadro da PF. Segundo ele, o objetivo é compor o quadro de inteligência, como no trabalho da Lava-Jato e outros serviços de segurança nacional dentro do orçamento possível.

Assim, o governo autoriza a nomeação de candidatos aprovados no concurso público da Polícia Federal. O decreto assinado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, autorizando a nomeação, está publicado no Diário Oficial da União desta sexta-feira (24), passando, assim, a valer.

Leia a Anterior

O que dois especialistas – um favorável e outro contra – acham da flexibilização do porte e posse de armas de fogo?

Leia a Próxima

Novo “Minha Casa Minha Vida” pretende acabar com vendas irregulares de imóveis