Julho termina com predomínio de céu claro e rajadas de vento em todo Ceará

Compartilhe:

A última semana de julho no Ceará começa com condições de tempo estáveis, o que indica baixa probabilidade de ocorrência de chuvas em todas as macrorregiões do estado. Logo, a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) aponta um predomínio de céu variando entre parcialmente nublado e claro desta segunda  (27) até a próxima quarta-feira (29).

Com as atuais condições de tempo, a Funceme alerta também para a ocorrência de baixa umidade relativa do ar, principalmente na parte centro-sul do Ceará, especialmente no período da tarde — quando as temperaturas são mais elevadas. No fim de semana, alguns municípios já registraram taxas consideradas de atenção como Crateús (20%),  Tauá (22%) e Iguatu (24%).

A gerente de meteorologia da Funceme, Meiry Sakamoto, explica ainda sobre as diferenças desse fenômeno entre interior do estado e faixa litorânea.

Áreas do interior do estado apresentam umidade relativa do ar mais baixa quando comparadas ao litoral devido à própria continentalidade, ou seja, a distância do oceano. Além disso, contribuem as condições predominantemente mais secas do solo e da vegetação reduzindo a evapotranspiração para a atmosfera.

Ventos fortes

Com final da estação chuvosa, é possível perceber em todo o estado o aumento da velocidade dos ventos.

O primeiro e mais importante é o deslocamento do sistema de alta pressão atmosférica do Oceano Atlântico Sul em direção ao nordeste do Brasil. E o segundo é a própria redução da nebulosidade. Nessa época do ano, o Ceará fica no meio do caminho entre esse sistema de alta pressão do Atlântico Sul e a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), fazendo com que os ventos alísios de sudeste fiquem mais intensos e constantes, explica Sakamoto.

Nesta segunda, segue em vigor um aviso de vento forte emitido pelo Centro de Hidrografia da Marinha.

O aviso é para a área oceânica porém podemos ter rajadas de vento forte sobre o continente, complementa.

Vale ressaltar que devido à falta de obstáculos na superfície do mar como montanhas e serras, as áreas oceânicas apresentam maior velocidade do vento do que o continente. Este cenário, especialmente na segunda metade do ano, torna o Ceará um dos principais destinos para a prática de esportes náuticos à vela como o windsurf e o kitesurf.

Entretanto para os pescadores, os ventos fortes representam um risco pois, nessa época, além de serem mais intensos os ventos sopram em uma direção diferente: do continente para o oceano, dificultando o retorno do mar, alerta Sakamoto. A meteorologista também relembra que as quedas de árvores e destelhamentos por conta das fortes rajadas são mais comuns nesse período.

No último fim de semana, a Funceme observou rajadas de vento acima dos 40 km/h em pelo menos seis municípios cearenses. Confira os principais registros: 

– Iguatu: 42,48km/h

– Fortaleza: 41,76km/h

– Morada Nova: 41,76km/h

– Barbalha: 41,04km/h

– Tauá: 41,04km/h

Compartilhe:

Leia a Anterior

Cursinho pré-universitário UeceVest abre inscrições até o final do mês

Leia a Próxima

Deputados analisam na quarta emendas do Senado a MP de crédito para pagar salários