Lula X Ciro: conflitos nacionais a caminho da corrida pela Prefeitura de Fortaleza

O Bate Papo Político, no Jornal Alerta Geral (FM 104.3 – Grande Fortaleza + 26 emissoras no Interior + Internet), edição desta sexta-feira (15), abordou os reflexos das divergências entre as principais lideranças do PT e PDT na corrida pela Prefeitura de Fortaleza

Os conflitos nacionais entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidenciável Ciro Gomes (PDT) terão desdobramentos nas eleições municipais em Fortaleza. Lula e Ciro voltaram a trocar farpas nessas últimas 72 horas. O petista mandou um recado ao dizer que o PT não irá encolher, terá candidato a presidente em 2022, enquanto, para Ciro, que concedeu entrevista, nessa quinta-feira (14), ao jornal espanhol El País, não há mais apreço por Lula.

Antes de 2022, na corrida pelo Palácio do Planalto, a eleição municipal provocará, também, rupturas na relação entre o PT e o PDT. O ex-presidente Lula quer o PT com nome próprio à Prefeitura de Fortaleza, enquanto o PDT quer manter o comando politico e administrativo da Capital elegendo o sucessor do atual prefeito Roberto Cláudio.

O PDT tem, hoje, como pré-candidatos o presidente da Assembleia Legislativa, José Sarto, o Secretário de Governo da Prefeitura de Fortaleza, Samuel Dias e a vice-governadora Izolda Cela. Um grupo do PT quer a candidatura da ex-prefeita Luizianne Lins.

Em meio ao fogo cruzado, está o governador Camilo Santana, aliado dos irmãos Cid e Ciro Gomes e trabalha com o prefeito Roberto Cláudio para o grupo eleger o prefeito da Capital em 2020. Camilo tenta, ao máximo, adiar conversas sobre as eleições municipais, acompanha o embate entre o ex-presidente Lula e o presidenciável Ciro Gomes e espera o momento certo para assumir uma posição sobre a sucessão municipal em Fortaleza.

O momento será o mês de julho do próximo ano quando serão realizadas as convenções para definição de candidaturas e alianças partidárias. Até lá, o vai e vem de declarações entre lideranças do PDT e PT marcarão a corrida pré-eleitoral de 2020.

Bate-Papo político

Dentro do Bate Papo Político, no Jornal Alerta Geral, os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida teceram análise sobre os conflitos entre PDT e PT, e repercutiram os desdobramentos dessa crise na disputa pelas eleições em Fortaleza e a movimentação dos partidos de oposição voltada à sucessão do prefeito Roberto Cláudio.

Beto Almeida comenta as razões que culminaram nesta dissensão e no afastamento entre Lula e Ciro:

São os reflexos do que sobrou do desgaste de 2018 quando Ciro Gomes esperava ter tido o apoio do PT, e mais ainda agora vitaminada pelas eleições que já se aproximam pra 2022, quando novamente Ciro já se coloca como pré-candidato, está trabalhando pra isso, aproveitou muito bem o momento que o presidente Lula estava na cadeia e ele ficou como protagonista praticamente sozinho da oposição, já que o PT se enrolou numa bandeira única do “Lula Livre”, não quis discutir mais outra coisa e Ciro foi então pra esse protagonismo

Por outro lado, o jornalista Luzenor de Oliveira afirma que a grande frustração de Ciro não foi a falta de apoio do PT no primeiro turno das eleições de 2018, que preferiu endossar a candidatura de Fernando Haddad, mas sim o fato do Partido dos Trabalhadores ter retirado o PCdoB do palanque de Ciro Gomes, o que desencadeou o conflito. “De lá pra cá a relação nunca foi a mesma entre Ciro e Lula”, diz Luzenor.

Sobre as declarações do ex-presidente Lula de que o Partido dos Trabalhadores não irá abrir mão de ter uma candidatura própria, o jornalista Luzenor de Oliveira comenta que a decisão não poderia ser diferente tendo em vista que isso reforça o capital político da sigla e contribui para o fortalecimento da musculatura do partido nas eleições de deputados e senadores:

“A tradição na política brasileira é que o poder se conquiste a partir do momento que a sigla, que os homens e mulheres que fazem essas agremiações, disputem eleições, se não tentar chegar ao poder, não se chega ao poder”

Fim do PSL no Ceará

Como resultado da dissidência entre o presidente da república Jair Bolsonaro e o presidente do PSL Luciano Bivar, o Partido Social Liberal deixará de ter representante na Assembleia Legislativa do Ceará. Haja vista que, os dois parlamentares filiados a sigla no estado, Andre Fernandes e Delegado Cavalcante, estão migrando juntamente com Bolsonaro para um novo partido, denominado Aliança pelo Brasil.

Em reunião na cidade de Salvador, nessa quarta-feira, deputados Bolsonaristas, entre os quais estavam os dois cearenses, firmaram acordo para fortalecer o apoio ao presidente da república na região Nordeste. Beto Almeida comenta que articulações tem como intuito as eleições municipais de 2020 e que Andre Fernandes pensa nisso:

Andre Fernandes deixou muito claro que no momento certo, tão logo o novo partido seja formalizado, ele quer conversar com o presidente Bolsonaro, se colocando a disposição para ser o homem de Bolsonaro na disputa à prefeitura de Fortaleza no ano que vem

Leia a Anterior

Cartórios do Interior do estado têm até 25 de novembro para utilizar o selo digital

Leia a Próxima

Congresso vai rever taxação do seguro-desemprego prevista por Programa Verde-Amarelo