Medo da Covid-19 leva 76% dos brasileiros a defenderem escolas fechadas, revela pesquisa

Compartilhe:

Enquanto os dirigentes dos estabelecimentos de ensino privado pressionam para a definição de um calendário de retomada das aulas e, na área pública, os governantes trabalham com a incerteza sobre o momento ideal para o reinício das atividades no setor, uma pesquisa do Instituto Datafolha, publicada, neste sábado, mostra que, para 76% dos brasileiros, as escolas devem continuar fechadas.

O Datafolha ouviu, por telefone, em todas as Regiões do País, na terça e quarta-feira desta semana, 2.016 pessoas, com diferentes faixas de renda. A pesquisa tem uma margem de erro de dois pontos para mais ou para menos e foi realizada por telefone para evitar o contato pessoal, principal fator de propagação do coronavírus. As aulas nas redes pública e particular estão suspensas desde meados de março em função da pandemia da Covid-19.

Os números do levantamento mostram que 52% dos brasileiros são favoráveis à reabertura do comércio, mas, entre os mesmos entrevistados, apenas 21% defendem que as aulas presenciais sejam retomadas em meio ao cenário de milhares de novos casos de coronavírus.

O medo dos pais e responsáveis em deixarem os estudantes, principalmente, crianças, em aglomerações, gera o receio sobre a volta das atividades nas escolas na segunda quinzena de julho. Os riscos, nesse caso, como avaliam especialistas da área da saúde, não são apenas nos estabelecimentos de ensino, mas, também, nos deslocamentos.

Segundo a pesquisa do Datafolha, entre as pessoas que têm renda familiar de até 2 salários mínimos, 77% defendem a continuidade do fechamento das escolas, enquanto, para as que ganham mais de 10 salários mínimos, 73% defendem a manutenção das aulas presenciais suspensas. Entre as mulheres, o apoio ao fechamento das escolas chega a 85% e, entre os homens, a 71%.


O Instituto Datafolha revela, também, nessa pesquisa, que, para as pessoas que consideram levar a vida com normalidade nesse período da pandemia, 36% são favoráveis ao reinício das aulas presenciais. Entre as pessoas que afirmam sair de casa somente em situação inevitável ou que estão isoladas, o apoio à volta das atividades de ensino tem apoio de 19% e 18%, respectivamente.


PRESSÃO DAS ESCOLAS
Pressionadas com a inadimplência e a saída de estudantes, as escolas particulares de Fortaleza estão se preparando para retomar as aulas e deixam em aberto, aos estudantes, a opção de um sistema hibrido: aulas presenciais e aulas on-line. Os pais e responsáveis já recebem comunicados com esse teor. Há expectativa que, ao longo da próxima semana, tanto Governo do Estado, quanto Prefeitura de Fortaleza, apresente um plano com datas definidas e medidas a serem exigidas para a retomada, com segurança, das aulas presenciais.

Compartilhe:

Leia a Anterior

Etufor suspende circulação de 16 linhas do corujão de Fortaleza a partir deste sábado

Leia a Próxima

Caminhos da Aposentadoria: programa orienta sobre acúmulo de benefícios e soma de tempo de contribuições