Senado tem agenda cheia com votação da reforma e debate sobre PEC Paralela

Representantes das entidades filantrópicas, que mantém unidades de ensino e de saúde, participam de debate para expor aos senadores o impacto da cobrança de contribuição pelo INSS

Senado Federal (Foto: Reprodução)

Compartilhe:

A terça-feira é de agenda cheia para o senadores. O pagamento de contribuições previdenciárias por parte das entidades educacionais filantrópicas, previsto na PEC Paralela da reforma da Previdência (PEC 133/2019), será tema de audiência pública, nesta terça-feira, na Comissão de Educação do Senado.
A audiência, solicitada por Jorginho Mello (PL-SC), será uma oportunidade para os senadores ouvirem representantes de diversas entidades educacionais para debater os impactos que medida poderá trazer para o ensino filantrópico brasileiro.
A PEC Paralela acrescenta um compilado de mudanças ao texto principal da reforma da Previdência (PEC 6/2019), que contém novas regras para o acesso a aposentadoria e pensões, para o cálculo do benefício e para as alíquotas de contribuição. Também contém regras de transição para trabalhadores em atividade.

O texto da PEC Paralela foi desmembrado do primeiro texto e tem entre as atribuições a inclusão de estados e municípios, a previsão de novas receitas para a Previdência e, ainda, uma revisão das intervenções da PEC original sobre benefícios assistenciais.

O parágrafo que será discutido trata da redação criada pelo relator da PEC, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), que permite a cobrança das contribuições previdenciárias para as entidades educacionais filantrópicas, alterando o §7º do artigo 195 da Constituição Federal. O texto atual diz que são isentas de contribuição à seguridade social as entidades beneficentes de assistência social que atendam as exigências da lei. Pela PEC paralela, a redação passaria a ser:

Não são devidas contribuições para a seguridade social por entidades beneficentes certificadas pela União que prestem, na for ma da lei complementar, percentual de serviços nas áreas de assistência social e saúde sem exigência de contraprestação do usuário.

Convidados

Foram convidados o secretário especial da Previdência Social, Rogério Marinho; o presidente do Fórum Nacional das Instituições Filantrópicas (Fonif), Custódio Pereira; o presidente da Associação Brasileira das Instituições Comunitárias de Educação Superior (Abruc), João Otávio Bastos Junqueira; o presidente da Associação Catarinense das Fundações Educacionais (Acafe), Claudio Jacoski; e a presidente do Consórcio das Universidades Comunitárias Gaúchas (Comung), Carmen Lúcia de Lima Helfer.

Também devem participar do debate o presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Walmor Oliveira de Azevedo; o presidente da Associação Brasileira de Instituições Educacionais Evangélicas, Silvio Young; o presidente da Associação Nacional de Educação Católica do Brasil, Paulo Fossati; e a presidente da Associação Nacional das Universidades Particulares, Elizabeth Guedes, além do senador Tasso Jereissati.

A audiência é interativa, permitindo a participação do público com perguntas e comentários, e acontecerá no plenário 15 da Ala Senador Alexandre Costa.

Fonte: Agência Senado

Compartilhe:

Leia a Anterior

Plano de políticas públicas enviado pelo Governo é estimado em R$ 132 bilhões

Leia a Próxima

53 agricultores familiares de Madalena receberão títulos de propriedade rural nesta terça-feira