Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Em meio ao luto após o incêndio de mais de cinco horas que destruiu, na noite desse domingo, 2, a maior parte do acervo do Museu Nacional, mantido pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), candidatos e políticos de diferentes espectros ideológicos foram às redes sociais denunciar o descaso dos governos com a instituição. O próprio ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, em entrevista à Globo News, disse que a tragédia era resultado de negligência.

Por conta da dimensão da perda e da repercussão midiática, é bem provável que a cultura finalmente entre na pauta da campanha eleitoral. Por conta disso, a Lupa checou como os candidatos à Presidência da República trataram a preservação do patrimônio cultural e a política de museus nos programas de governo que registraram no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Veja a seguir o resultado:

Alvaro Dias 

O candidato do Podemos não traz nenhuma proposta para preservação do patrimônio cultural ou para a valorização de museus. No campo da cultura, a única promessa é “Cultura livre com Cartão Cultura”.

Cabo Daciolo 

O candidato do Patriota não menciona nenhuma política voltada especificamente para a cultura em seu programa.

Ciro Gomes

O pedetista destaca um capítulo de seu programa para promessas relacionadas à cultura, entretanto não faz nenhuma menção direta à valorização de museus. O tópico que tangencia o tema promete “preservação e ampliação de nosso patrimônio artístico-cultural”.

Eymael 

O candidato do DC faz três promessas amplas para a cultura, incluindo “resgate e valorização da cultura e da identidade nacional”. Não há nenhuma menção sobre valorização ou política de museus.

Geraldo Alckmin 

O tucano atrela as políticas culturais a pautas econômicas em seu plano de governo. Afirma que o desenvolvimento da indústria criativa auxiliará o empreendedorismo em cultura. Também diz que reconhece as diversas manifestações artísticas como parte de um desenvolvimento econômico. O candidato não traz nenhuma proposta sobre a preservação do patrimônio cultural ou uma valorização dos museus.

Guilherme Boulos 

O candidato do PSOL dedica oito páginas do seu programa à cultura e define oito promessas para a área, incluindo 2% do PIB. Entretanto, Boulos não apresenta nenhuma proposta relacionada de forma direta à política de museus.

Henrique Meirelles 

O emedebista não expôs nenhuma proposta para a área da cultura, preservação do patrimônio cultural ou museus em seu programa.

Jair Bolsonaro 

O candidato do PSL também não menciona propostas para a cultura e política de museus.

João Amoêdo

Na disputa representando o partido Novo, João Amoêdo não traz nenhuma proposta relacionada à preservação de patrimônio cultural. Neste campo, somente afirma que implementará “novas formas de financiamento de cultura, do esporte e da ciência com fundos patrimoniais de doações”.

João Goulart Filho 

Dos 20 pontos em seu programa, o representante do PPL dedica um à cultura. Ainda assim, não há nenhuma menção direta à valorização de museus. As propostas tratam sobre restabelecer uma política cultural e focar em produzir ambientes digitais de memória.

Programa do PT

O PT, que teve Lula considerado inelegível na última sexta-feira, afirma em seu programa de governo que fortalecerá o Iphan e o Ibram para “proteção e promoção do patrimônio cultural e de fortalecimento da política nacional de museus”.

Marina Silva 

A candidata da rede incluiu a política de valorização de museus em seu programa. Ela afirma o seguinte: “Nos comprometemos a oferecer condições de funcionamento a museus, arquivos e bibliotecas”.

Vera Lucia 

Representante do PSTU na corrida presidencial não inseriu nenhuma proposta relacionada a política de museus em seu programa.

Com informações do Portal Uol Notícias