Categorias
Cotidiano

Mais de 360 veículos foram abandonados nas ruas de Fortaleza em 2019

De janeiro a julho deste ano 365 automóveis abandonados já foram retirados de ruas e avenidas em Fortaleza. As informações são da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC). A medida é permitida pela Lei Municipal nº 10.677. Após notificação, os proprietários têm prazo de cinco dias para recuperar o veículo.

O órgão iniciou as remoções em abril de 2018, antes disso, o veículo só poderia ser rebocado se estivesse estacionado de forma irregular. Neste ano, dos 365 reboques, apenas 72 foram realizados pela AMC. De acordo com os dados, são os proprietários os que mais realizam as retiradas.

Os locais que têm automóveis abandonados são identificados a partir de denúncias da população, que podem ser feitas por meio do canal Fala Fortaleza (0800 285 0880) ou de envio de ofício a qualquer Central da AMC. Após a reclamação, uma equipe de agentes vai ao local, confirma se há abandono e notifica o proprietário via Correios.

Categorias
Cotidiano

Abandono atinge 132 mil cães e gatos em Fortaleza

Os animais domésticos fazem parte do ambiente familiar dos fortalezenses. Atualmente são 425 mil que recebem abrigo nos lares da capital, no entanto, essa não é uma realidade para todos. Em Fortaleza, existem 132 mil cães e gatos abandonados segundo a Coordenadoria Especial de Proteção e Bem-Estar Animal (Coepa).

De acordo com a titular da pasta, Toinha Rocha, quem abandona os animais são os tutores que negligenciam a vacina e consulta dos “bichinhos”. Além disso, quando envelhecem, os cães e gatos são abandonados e passam a viver pelas ruas da cidade.

A Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA) funciona na capital cearense como unidade específica de combate aos maus-tratos de animais. No âmbito penal, o artigo 32 da Lei de Crimes Ambientais determina pena de três meses a um ano ou multa para àqueles que forem enquadrados na prática de maus-tratos.

Para denunciar os autores de crueldades contra animais existem duas opções. Há possibilidade de denúncia presencial na Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA), que fica na Rua Professor Guilhon, 606 – Bloco D – Aeroporto ou de modo anônimo, pelo telefone (85) 3247-2630 / 3247-2637 ou pelo email: dpma@policiacivil.ce.gov.br
Confira mais informações com o repórter Matheus Lima:
Categorias
Interior

“Falta planejamento”, afirma Beto Almeida sobre UPAs prontas e abandonados no interior do Ceará

De acordo com o Ministério da Saúde, pelo menos oito Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) estão prontas e sem funcionar no Ceará, uma delas desde 2013. Para o jornalista Beto Almeida, a situação das UPAs evidencia a falta de planejamento e a má administração dos recursos públicos.

Se está recebendo dinheiro para construir equipamento, tem que ter verba de custeio para funcionar.

Somados os valores investidos na construção das oito UPAs prontas e fechadas, o dinheiro por enquanto desperdiçado é de R$ 12,2 milhões. Falta de financiamento para manutenção e burocracias com o Governo Federal são as principais justificativas dos gestores municipais para a ausência de atividades nos locais.

Beto Almeida relembra que os municípios têm a alternativa de fazer a readequação dos espaços das Unidades, como foi autorizado pelo Governo Federal em maio de 2018. “Se você está com equipamento pronto e não está tento utilidade, então faz a readequação”, afirma Beto. Na readequação, a estrutura das UPAs inativas pode ser utilizada com outra finalidade na área da saúde, como para Unidades Básicas de Saúde (UBS) e Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), a fim de que não se perca as estruturas já erguidas.

O jornalista Luzenor de Oliveira, em seu comentário no Bate Papo Político do Jornal Alerta Geral (Expresso Fm 104.3 na Grande Fortaleza + 26 emissoras no Interior + Redes Sociais) desta segunda-feira (29) destaca que o problema não se trata apenas de uma questão de infraestrutura, mas também demonstra um descaso com a população. “Um joga pra outro e quem paga a conta é a população, que mais precisa de atendimento da rede pública”, destaca Luzenor.