Categorias
Luzenor de Oliveira Política Destaque1 Destaque3

Camilo tenta encontrar caminhos para convocação de Aníbal e Gorete Pereira

O governador Camilo Santana (PT) começa o mês de abril buscando caminhos para viabilizar a convocação dos suplentes à Câmara Federal, Gorete Pereira (PR) e Aníbal Gomes (DEM). Camilo assumiu o compromisso de ajudá-los porque, em 2018, Gorete e Aníbal o apoiaram nas articulações para agilizar a liberação de recursos da União para o Estado do Ceará. Gorete articulou, também, a entrada do PR na aliança com o PT e o PDT em apoio à reeleição de Camilo.

Camilo decidiu, na semana passada, enviar projeto à Assembleia Legislativa com mudanças no papel e na nomenclatura de algumas secretarias de Estado. As mudanças estão sendo entendidas como uma tentativa para atrair dois deputados federais para cargos no primeiro escalão, que passam a ser definidas como Secretarias e mão mais como assessorias especiais. O projeto, com essas mudanças, está sendo apreciado e poderá ser votado até a próxima sexta-feira (5), na Assembleia Legislativa.

O deputado federal José Airton Cirilo, do PT, chegou a ser convidado para um desses cargos, mas o rejeitou porque a assessoria especial não dava a visibilidade que uma secretaria proporciona. Se José tivesse aceito o convite, a vaga na bancada federal seria aberta para a suplente Gorete Pereira

A mensagem do Poder Executivo, enviada à Assembleia Legislativa, dispõe, também, sobre a transferência do gerenciamentos do Fundo Estadual de Combate à Pobreza (Fecop) do âmbito da Secretaria  de Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos (SPS), que tem o comando da ex-procuradora de Justiça, Socorro França, para a Secretaria do Planejamento.

O Fecop tem um longo braço de atuação social nos municípios mais pobres. Com essa mudança, o deputado federal Mauro Filho seria atraído para voltar ao Planejamento. Se aceitar o convite do Governador Camilo, Mauro abre a vaga na Câmara para o suplente Aníbal Gomes.

As dificuldades para atender aos dois aliados começaram logo após o resultado da eleição de 2018 e as primeiras movimentações para acomodar aliados na administração estadual. Camilo convidou o deputado federal eleito Mauro Filho (PDT) para a Secretaria de Planejamento, o que possibilitaria a convocação do suplente Aníbal Gomes à Câmara Federal. Mauro assumiu o cargo no dia primeiro de janeiro de 2019, decidiu, porém, tomar posse em Brasília e, após dois meses, permanece na Câmara.

Categorias
Luzenor de Oliveira Política Destaque1 Destaque3

Com grupo político enfraquecido, Acilon tem projeto esvaziado antes do tempo e fica irado

O prefeito do Eusébio, Acilon Gonçalves (PR), anda furioso com os articuladores políticos do Palácio da Abolição que o impuseram o isolamento e o esvaziamento da sua base na Assembleia Legislativa. O prefeito manifesta, entre interlocutores, indignação com o Governador Camilo Santana, mas decidiu ficar calado para se preservar na corrida pela reeleição em 2020. 

Acilon assumiu o comado do PR no Ceará após, em 2018, ter saído das eleições, pelo Patriota, com três deputados estaduais – Bruno Gonçalves, o filho, Nizo Costa e Apóstolo Luiz Henrique; e um federal – Mano Júnior. Com a mudança para o PR, Acilon queria manter um grupo com, pelo menos, cinco deputados estaduais, e criar uma base mais sólida para se viabilizar candidato a Governador ou a Senador em 2022. 

O projeto, construído de forma isolada, foi, porém, atropelado pelo Palácio da Abolição que tirou do grupo de Acilon os deputados estaduais Luiz Henrique, que se filiou ao PP, e Nizo Costa, que se transferiu para o PSB. “A fúria do Acilon pelo poder o levará a perder outros aliados“, confessou um integrante de base de apoio ao Governo do Estado na Assembleia Legislativa, sem declinar nomes, nem cidades onde atuam essas lideranças políticas.

Insatisfeito e irritado com as manobras políticas que o deixaram sozinho com o filho, Bruno, na Assembleia Legislativa, Acilon Gonçalves tenta espernear, mas chegou à conclusão de que, sem uma oposição forte ao Governo do Estado, que o possibilite um guarda-chuva de proteção, sentiu que é preferível ficar calado e garantir verbas e convênios com a administração Camilo Santana na caminhada para selar a reeleição em 2020. 

Depois de perder os deputados estaduais Luiz Henrique e Nizo Costa, Acilon passou a se articular para ampliar a representação do PR na Assembleia Legislativa. Chegou a conversar com outros dois deputados estaduais. Os parlamentares, com as bênçãos do Governador Camilo Santana, estão, porém, a caminho do PSB.