Categorias
Médico Henrique César Destaque2

Ministério da Saúde lança novo edital do Mais Médicos

Ministério da Saúde lançou nessa segunda-feira (13) novo edital do programa Mais Médico. O documento foi publicado no DOU (Diário Oficial da União). O assunto foi destaque no Jornal Alerta Geral desta terça-feira (14) pelo médico ortopedista e professor universitário Dr. Henrique César.

Dr. Henrique destacou também, que esse é o 18º ciclo do programa, que abrirá cerca de 2 mil vagas que serão destinadas a atender 790 municípios brasileiros com altos índices de vulnerabilidade, que deveram renovar a participação.

As inscrições têm início em 27 de maio e vão até 29 de maio por meio do site dos Mais Médicos. A partir de junho os selecionados já poderão atuar nas localidades.

A expectativa do Ministério da Saúde é de atender 6 milhões de pessoas situação vulnerável em todo o Brasil, em áreas historicamente com maiores dificuldades de acesso -a exemplo das ribeirinhas, fluviais, quilombolas e indígenas – e que dependem do atendimento do SUS (Sistema Único de Saúde).

Confira com exclusividade o comentário do médico ortopedista e professor universitário Dr. Henrique César:

Categorias
Médico Henrique César

Gestores e técnicos da Sesa participam de capacitação no TCE

Melhorar as fases de planejamento e execução das compras e aquisições públicas, evidenciando os riscos e os controles a serem aplicados pelos profissionais que atuam na saúde, é o principal objetivo da participação de 58 gestores e servidores da Sesa no curso “Governança nas Aquisições Públicas com foco na área da Saúde”, que está sendo realizado nesta quinta-feira (9) no Tribunal de Contas do Estado (TCE). O assunto foi destaque no Jornal Alerta Geral desta quinta-feira (9) pelo médico ortopedista e professor universitário Dr. Henrique César.

Dr. Henrique destacou também, que a Escola de Contas e Gestão do TCE Ceará, por meio do Instituto Plácido Castelo (IPC), promove o curso de capacitação para profissionais da Sesa em atendimento à solicitação do secretário da Saúde do Estado, Carlos Roberto Martins Rodrigues Sobrinho, feita durante reunião realizada com o presidente do Tribunal, conselheiro Edilberto Pontes, em 17 de abril.

Confira com exclusividade o comentário do médico ortopedista e professor universitário Dr. Henrique César:

Categorias
Saúde Médico Henrique César Destaque1

Agentes de saúde do Ceará terão reajuste de 23% no piso salarial

Os 6.893 agentes comunitários de saúde com vínculo estadual passam a contar com um novo piso salarial, no valor de R$ 1.250,00, o que representa um aumento de 23%. O assunto ganhou destaque no Jornal Alerta Geral (Rádio FM 104.3 – Expresso Grande Fortaleza + 26 emissoras no Interior), desta terça-feira (23), pelo médico ortopedista e professor universitário, Dr. Henrique Cesar.

Henrique destacou, também, que, na década de 1980, o Ceará apresentava um problema com relação à mortalidade infantil. A cada mil bebês nascidos vivos no estado, 110 acabavam indo a óbito. Para tentar combater a situação, o Governo decidiu investir na experiência dos agentes comunitários de saúde, criando, em 1987, a atividade.

No decorrer desses anos, pode-se constatar a eficácia dos profissionais. No tocante à morte de crianças no nascimento, o Estado registrou, em 2018, apenas 12 por cada mil nascidos. Com o passar dos anos, os agentes de saúde incorporaram diversas outras funções e foram integrados às equipes de saúde da família, na atenção primária de saúde prestada pelos municípios.

Acompanhe no player abaixo:

Categorias
Política Estadual Destaque1

Bebidas alcoólicas nos estádios: Evandro Leitão afirma que colocar o vendedor “dentro do estádio” dá mais controle ao estado

Em entrevista ao Jornal Alerta Geral, nesta sexta-feira (12), o deputado estadual Evandro Leitão (PDT) defendeu o Projeto de Lei 85/2019 que propõe liberar o comércio e o consumo de bebidas alcoólicas – de até 10% de teor – em estádios e arenas desportivas no Ceará. Segundo o deputado, é necessário “pegar esse povo que está fora do estádio e colocar dentro do estádio para ter um maior controle“.

O Projeto de Lei é de autoria do ex-deputado pelo PP, Gony Aruda, e foi resgatado por Evandro, que argumenta que a liberação de bebidas alcoólicas nos estádios, embora cause um estranhamento inicial, iria diminuir a incidência de violência no entorno das arenas esportivas. Segundo o parlamentar, hoje, o estado não tem nenhum controle sobre a comercialização desses produtos nos eventos esportivos.

Nós temos nas portas dos estádios a comercialização desenfreada, sem nenhum controle. É preciso pegar esse povo que está fora do estádio e colocar dentro do estádio para ter maior controle.

Deputado estadual Evandro Leitão (PTD), no estúdio do Jornal Alerta Geral / Foto: Redação

A entrevista foi conduzida pelos jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida, e contou com comentários do médico ortopedista e colunista do Jornal Alerta Geral (Rádio FM 104.3 – Expresso Grande Fortaleza + 26 emissoras no Interior) , Dr. Henrique César.

Durante o debate, os participantes opinaram e argumentaram sobre a PL com o deputado, que disse esperar a decisão até o fim do mês de maio. “Nessa nova legislatura, estamos aguardando que vá para o Plenário. Esperamos que possamos sensibilizar para que votem favoravelmente“, destacou Evandro.

O Projeto de Lei está em consulta pública por meio do site oficial da Assembleia Legislativa do Ceará. O tema divide opiniões entre os parlamentares e, para tentar solucionar o embate, a AL tenta mostrar o “sentimento da população” quanto ao assunto. O Projeto de Lei pode ser votado clicando aqui. Segundo a Casa, o posicionamento dos cearenses vai se transformar em um relatório de consulta dos parlamentares antes da votação.

Galeria de fotos do programa desta sexta-feira (12):

Categorias
Saúde Destaque2 Destaque3

Doutor Henrique César diz que governo não criou estrutura para solucionar filas ortopédicas

A quantidade de cirurgias ortopédicas no Ceará é alarmante. O médico e ortopedista Henrique César, em seu comentário no Jornal Alerta Geral desta quinta-feira (28), deu destaque para o tempo de espera que uma pessoa que precisa de um atendimento ortopédico tem.

Segundo Henrique, as emergência ortopédicas ficam concentradas nos Frotinhas de Fortaleza e no Instituto Doutor José Frota, também na Capital. A prática, segundo o médico ortopedista, acaba fazendo com que casos mais simples obstruam as filas de atendimento.

Doutor Henrique fala, ainda, do bom exemplo de Pernambuco, que conta com atendimento ortopédico nas Unidades Públicas de Saúde (UPAs), viabilizando a diminuição das filas. Segundo ele, só na Região Metropolitana de Recife, cinco dessas unidades fazem o atendimento.

Para o médico, as tentativas de solucionar o problema no Ceará gastaram muito e deram poucos resultados. Isso acontece porque, segundo ele, o programa foi idealizado na contramão do que se espera. “Não criou serviços e linhas de cuidado“, enfatizou Henrique.

O Doutor Henrique César deu, ainda, algumas possíveis soluções. Acompanhe no player abaixo:

Médico Ortopedista Henrique César
Categorias
Cidade Destaque1 Destaque3

Alerta Geral: médico Henrique César condena despreparo de empresas que tratam autistas na capital

Não se pode confundir a suspensão de uma atividade
com a incapacidade de uma determinada empresa privada em cumprir as regras” – Médico ortopedista Henrique César

A luta por um atendimento público, gratuito e de qualidade para pessoas portadoras de Transtorno do Espectro Autista (TEA) na Capital continua. Para o médico ortopedista Henrique César, em seu comentário no Jornal Alerta desta quinta-feira (14), “não se pode confundir a suspensão de uma atividade com a incapacidade de uma determinada empresa privada em cumprir as regras absolutamente necessárias, por lei, para ser prestador de um ente público.

Para uma empresa privada prestar esses serviços, a transparência e legitimidade estão no cumprimento das leis que regem seu funcionamento. No mês de janeiro, após o encerramento do contrato entre a Secretaria Municipal de Saúde e a empresa prestadora do serviço, a Promotoria do Estado instaurou procedimento para que não haja descontinuidade no atendimento. O assunto alarmou uma série de críticas ao poder público estadual sem, no entanto, os devidos detalhes. O tema foi levantado pelo médico no Jornal Alerta Geral (Rádio FM 104.3 – Expresso Grande Fortaleza + 27 emissoras no Interior do Estado).

Henrique relatou, também, que, segundo assessoria de imprensa da prefeitura de Fortaleza, a instituição privada já possuía contrato desde 2012 e já havia sido aditividade por 6 vezes – o máximo permitido pela legislação. Assim, como prevê a lei, seria necessária a paralisação dos serviços prestados até a regularização total do contrato. A assessora informa, ainda, que os atendimentos aos portadores de TEA passariam a ser atendidos em três instituições: Associação Pestalozzi de Fortaleza, Instituto Psicopedagógico de Fortaleza e Centro de Integração Psicosocial.

Pela Lei, os autistas são considerados pessoas com deficiência. O TEA envolve atrasos e comprometimentos do desenvolvimento, seja da linguagem, seja motor ou no comportamento social. Os sintomas podem ser diversos: emocionais, cognitivos, motores ou sensoriais.

Categorias
Cidade Destaque1 Destaque3

Médico Henrique César elogia Projeto Multiplicadores da Saúde, mas alerta para se evitar fisiologismo eleitoral

O professor e médico ortopedista Henrique César elogiou, nesta quinta-feira (31), em seu comentário no Jornal Alerta Geral (Rádio FM 104.3 – Expresso Grande Fortaleza + 26 emissoras no Interior do Estado), o Projeto Jovens Articuladores da Saúde, lançado pela Prefeitura da Capital, mas alertou para a iniciativa não ganhar cunho político e de fisiologismo eleitoral.

O edital foi lançado na última segunda-feira (28), na Rede Cuca Mondubim, e promove seleção de jovens multiplicadores e dinamizadores para atuação como articuladores da saúde no âmbito da rede de atenção primária do município. Ao todo, serão ofertadas 84 vagas, 70 para multiplicadores e 14 para dinamizadores. A ação terá duração de 10 meses.

Henrique disse que o programa é uma boa iniciativa – o comparou ao projeto agentes de saúde, implantado nos anos 80 – e o definiu como boa política de saúde, embora cometa um grande equívoco: a desobrigação do jovem em morar na comunidade em que vai atuar.  

Acompanhe a análise completa no player a seguir: