Categorias
Cotidiano

AL realiza sessão solene comemoração aos 59 anos do Colégio Santo Inácio

A Assembleia Legislativa realiza, nesta segunda-feira (21/10), às 9h, sessão solene em comemoração aos 59 anos do Colégio Santo Inácio. A cerimônia foi solicitada pelo deputado Evandro Leitão (PDT) e ocorre no Plenário 13 de Maio.

De acordo com o parlamentar, a instituição formou gerações de cidadãos educados em preceitos que visam o bem da sociedade. “O Colégio Santo Inácio orientou e formou cada indivíduo, que por lá passou, na perspectiva cristã e na possibilidade de exercício da cidadania para o bem da sociedade, visando à transformação das pessoas e das realidades, na esperança de construir uma sociedade sustentável, justa e fraterna”, destaca.

O Colégio Santo Inácio foi fundado no dia 1º de março de 1960, em um prédio ainda na rua Gonçalves Ledo. Em 1963, foi transferido para o local onde funciona atualmente, na avenida Desembargador Moreira. A escola é vinculada à Companhia de Jesus, também conhecida como Ordem dos Jesuítas, instituição com mais de 455 anos de história.

Serão homenageados no evento a diretora geral do colégio, Albaniza Gomes, o sacerdote jesuíta e diretor pastoral, Eugênio Pacelli, além outros sacerdotes, coordenadores, professores, funcionários e alunos.
GS/LF

Categorias
Política Estadual Ceará Destaque1

Líder espírita cearense Bezerra de Menezes é homenageado no Senado

Em sessão especial, o médico Adolfo Bezerra de Menezes Cavalcanti. Mais conhecido como Doutor Bezerra de Menezes, ou o “médico dos pobres”, ele foi um dos maiores expoentes do espiritismo no Brasil. O dia 29 de agosto foi escolhido para a homenagem por ser a data em que o médico nasceu, no ano de 1931.

Autor do pedido para a homenagem, o senador Eduardo Girão (Pode-CE) definiu Bezerra de Menezes como grande pacifista e humanista do século 19. Além de médico e escritor, ele também foi vereador e deputado e lutou por causas à frente de seu tempo.

“É uma trajetória brilhante, de muita superação. Ele levou muita luz para essa terra, como médico, como político libertário, um dos grandes responsáveis pela abolição da escravatura no Brasil, um político preocupado com o meio ambiente”, destacou.

O presidente da Federação Espírita Brasileira (FEB), Jorge Nery, disse considerar que o exemplo de Bezerra de Menezes deveria ser seguido por todos os médicos, por todos os espíritas e por todos os políticos. O trabalho do médico, segundo Jorge Nery, não se encerrou após a sua morte, no ano de 1900.

“Somos espíritos imortais e o trabalho do Doutor Bezerra de Menezes, após a sua desencarnação, se iniciou nos dias seguintes. Ele teve a oportunidade de comunicar-se em reuniões mediúnicas, dando continuidade ao trabalho que ele vem fazendo até os dias de hoje”.

Medicina

O senador Nelsinho Trad (PSD-MS) lembrou a coragem de Bezerra de Menezes de se assumir espírita e defender o direito das pessoas de seguir o espiritismo em uma época na qual a doutrina não era aceita. O senador, que também é médico, lembrou que o médico se dedicava a todos os pacientes, inclusive àqueles que não tinham como pagar pelo tratamento.

O juiz José Carlos de Lucca, palestrante espírita, destacou a preocupação do homenageado com pessoas consideradas “invisíveis”.

“Bezerra de Menezes olhava para os invisíveis, para os que não tinham nome, os que não tinham dignidade, os que não eram ouvidos pelo Estado, pelos poderes públicos, os que não tinham dinheiro para pagar uma consulta, os que não tinham dinheiro sequer para comprar o remédio das suas receitas”.

O presidente da Federação Espírita do Ceará, Luciano Klein, biógrafo de Bezerra de Menezes, afirmou que sua pesquisa permitiu a constatação da grandeza do médico. De acordo com Klein, ele era um pai amoroso que suportou a perda de 8 dos seus 14 filhos por doenças como a febre tifoide. Para ele, Bezerra de Menezes está na lista dos grandes humanistas e pacificadores do mundo.

“Era alguém que, diferentemente de muitos de nós, pregava o que vivia e vivia o que pregava cotidianamente, sempre tendo a preocupação precípua de atender alguém que padecia de algum mal, de alguma dificuldade, nos momentos de sua trajetória de vida”.