Categorias
Educação

Inscrições para o Programa Jovem Senador terminam em 16 de agosto

Termina dia 16 de agosto, sexta-feira, o prazo para que estudantes de escolas públicas estaduais de ensino médio participem do concurso de redação do programa Jovem Senador. Criado em 2008, o programa seleciona, por meio de concurso anual, 27 alunos para vivenciarem em Brasília uma semana de atividades similares às dos senadores. Neste ano, o tema da redação é “Cidadão que acompanha o orçamento público dá valor ao Brasil”.

As inscrições são feitas pelas escolas. Dia 16 é o prazo final para os estudantes entregarem as redações às escolas. Cada escola pode inscrever apenas uma redação. A seleção da redação que representará o estado no programa é feita por uma comissão Secretaria Estadual de Educação.

O programa tem como objetivo fortalecer a reflexão em torno de valores como política, representação e cidadania. Por isso, são escolhidos os autores das 27 melhores redações, uma por unidade da Federação, que participarão, em Brasília, do processo de discussão e elaboração das leis do país, simulando a atuação dos senadores da República.

A “legislatura” tem duração de quatro dias e inicia-se com a posse dos jovens senadores e a eleição da Mesa. Os trabalhos são encerrados com a aprovação dos projetos pelos participantes. As proposições podem ser aproveitadas pelos senadores. Desde a primeira edição, 40 delas foram aceitas como projetos de lei do Senado e duas como proposta de emenda à Constituição. O programa já envolveu mais de 1,5 milhão de alunos e 41 mil professores, numa parceria que resultou na produção de quase 700 mil redações.

A estudante de jornalismo Bianca Anselmo, moradora de Planaltina e representante do Distrito Federal na edição do Jovem Senador 2018, diz que a participação no programa foi fundamental na escolha do curso. Para ela, o programa é uma forma empoderar o jovem na política.

— Comecei a me interessar por política e descobri a importância de se saber como um projeto de lei é elaborado.

Orçamento Fácil

Para as redações da edição 2019, os estudantes podem contar com as ajuda da série Orçamento Fácil, produzida pela Secretaria Agência e Jornal do Senado (SAJS). São animações curtas, com liguagem simplificada, didática e lúdica, que buscam esclarecer a tramitação das leis orçamentárias no Congresso Nacional e sua importância no dia a dia do cidadão, além de contribuir para a fiscalização tanto dos recursos arredacados por meio de impostos quanto da forma como esses recursos são utilizados.

Os vídeos podem ser acessados no endereço www.senado.leg.br/orcamentofacil.

Categorias
Economia Destaque3

Mais da metade dos jovens brasileiros usam celular para pagar contas

A maioria dos jovens brasileiros utiliza seu dispositivo móvel para realizar pagamentos, indica pesquisa realizada pela Kantar e encomendada por uma bandeira de cartões. De acordo com o levantamento, 64% dos jovens realizam frequentemente ou ocasionalmente pagamentos por meio de aplicativos, enquanto 57% fazem essas operações em navegadores móveis.

O estudo revelou as atitudes e comportamentos dos jovens entre 18 e 35 anos na América Latina (Peru, Brasil, Argentina, Chile e Colômbia), e mapeou especialmente sua relação com a tecnologia e o dinheiro. A pesquisa foi realizada com esta faixa etária porque é onde está a maior força de trabalho.

A pesquisa revelou que os jovens brasileiros estão entusiasticamente adotando novas tecnologias, impulsionando os avanços nos pagamentos e criando uma demanda por maior disponibilidade e confiabilidade. Eles veem cada vez mais seus smartphones como uma valiosa ferramenta para a vida financeira, valorizando o controle oferecido pelos pagamentos por dispositivos móveis.

Mais da metade dos entrevistados acredita que a transferência e confirmação imediatas são um dos benefícios mais importantes desse método de pagamento, enquanto 47% destacam a facilidade do uso “em movimento” e 42% afirmam que as plataformas móveis oferecem uma importante alternativa nos momentos em que não estão com a carteira.

Segundo o levantamento, a barreira mais relevante para a realização de pagamentos com dispositivo móvel é a taxa de aceitação, 41% afirmaram que “não existem lojas suficientes que aceitam pagamentos com dispositivos móveis”. Outros obstáculos significativos ao uso de pagamentos com dispositivos móveis são questões relacionadas ao dispositivo.

Dos entrevistados, 40% estavam preocupados com o que aconteceria se perdessem o telefone e 38% afirmaram que a duração da bateria poderia ser uma barreira potencial para o uso.

(*) Com informações da Agência Brasil.

Categorias
Estadual Destaque1

41,8% dos jovens brasileiros estão desempregados. No Ceará, são 700 mil nessa situação

No primeiro trimestre deste ano, 41,8% da população de 18 a 24 anos, os jovens brasileiros, fazia parte do grupo dos subutilizados no mercado de trabalho, isto é, estavam desempregados, desistiram de procurar emprego ou tinham disponibilidade para trabalhar por mais horas na semana.

No Ceará, segundo pesquisa encomendada pelo Instituto Dragão do Mar ao Laboratório das Artes e das Juventudes da Universidade Federal do Ceará (Lajus/UFC) e em parceria com o Instituto Oca, existem quase 700 mil jovens, no Ceará, entre 16 e 29 anos, que nem estudam, nem trabalham de maneira formal e nem estão procurando emprego.

No país

Em números absolutos, são 7,337 milhões de jovens brasileiros subutilizados, o maior número já registrado desde que a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicilio (Pnad) começou a ser apurada em 2012.

A subutilização de brasileiros de 18 a 24 anos é sempre maior no mercado trabalho, mas em momentos de crise essa tendência se agrava porque os jovens têm menos experiências e baixa qualificação. Portanto, são os mais vulneráveis aos momentos de crise.

E, com menos jovens entrando no mercado, cairá a contribuição para o sistema previdenciário, levando prejuízo ao sistema já deficitário.

O quadro mais difícil para os jovens fica evidente quando se compara o crescimento da população de subocupados de 18 a 24 anos em relação ao total dos brasileiros. Entre 2012 e o primeiro trimestre de ano, a fatia de subocupados na economia brasileira passou de 20,9% para 25%, enquanto entre os jovens de 18 a 24 anos o aumento foi de 30,1% para 41,8%.

Categorias
Economia Destaque1

47% dos jovens entre 18 e 24 anos não controlam finanças

“Mesmo tendo crescido em um ambiente com acesso a grandes quantidades de informação, recursos tecnológicos e propensão ao autoaprendizado, 47% dos jovens da chamada Geração Z, com idades entre 18 e 24 anos, não realizam o controle das finanças pessoais”.

É o que diz o economista e comentarista do Jornal Alerta Geral (Expresso FM 104.3 na Capital + 26 emissoras no Interior), Carlos Alberto Alencar.

A análise é feita com base nos dados que foram levantados em uma pesquisa conduzida pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), que avaliou hábitos de gestão das finanças pessoais desse grupo.

A principal justificativa desses jovens é o fato de não saber fazer (19%), sentir preguiça (18%), não ter hábito ou disciplina (18%) ou não ter rendimentos (16%). Por outro lado, 53% afirmam controlar receitas e despesa, e apesar de bastante conectados, 26% ainda usam bloquinho de papel para organizar o orçamento.

O estudo também revela que 65% dos jovens da Geração Z contribuem financeiramente para o sustento da casa. Considerando os gastos mensais pagos com o próprio dinheiro, nove em cada dez mencionam ao menos alguma despesa, sendo que as mais comuns são: alimentação (51%), roupas, calçados e acessórios (43%), produtos de higiene e beleza (34%), TV por assinatura ou internet (31%) e contas de serviços básicos como água e luz (27%). Por outro lado, 11% têm todas as despesas e gastos mensais pagos por terceiros.

Geração Z

A Geração Z é utilizada para definir os nascidos entre 1995 e 2010, que hoje têm entre nove e 24 anos – sendo que a pesquisa considerou os jovens de 18 a 24 anos. São considerados os primeiro. É a primeira geração a crescer e chegar à vida adulta tendo acesso online e instantâneo, desde cedo, a grandes quantidades de informações.

Categorias
Geral

Data Folha: 59% dos jovens, negros e de baixa renda afirmam ter medo da polícia

Dados do Instituto Datafolha, divulgados pela Folha de São Paulo, nesta sexta-feira (12), revelam que 59% dos jovens, negros e de baixa renda dizem ter medo de policiais. A pesquisa aponta que apenas 39% dos jovens dizem confiar nos agentes.

De acordo com as informações, o cenário é oposto entre os autodeclarados brancos, mais velhos e com renda maior. Entre pessoas com esse perfil, 64% dizem confiar na polícia e 36% afirmam que temem os policiais.

No total, 51% da população dizem ter mais medo que confiança nos policiais.

Categorias
Cidade Destaque1 Destaque3

Médico Henrique César elogia Projeto Multiplicadores da Saúde, mas alerta para se evitar fisiologismo eleitoral

O professor e médico ortopedista Henrique César elogiou, nesta quinta-feira (31), em seu comentário no Jornal Alerta Geral (Rádio FM 104.3 – Expresso Grande Fortaleza + 26 emissoras no Interior do Estado), o Projeto Jovens Articuladores da Saúde, lançado pela Prefeitura da Capital, mas alertou para a iniciativa não ganhar cunho político e de fisiologismo eleitoral.

O edital foi lançado na última segunda-feira (28), na Rede Cuca Mondubim, e promove seleção de jovens multiplicadores e dinamizadores para atuação como articuladores da saúde no âmbito da rede de atenção primária do município. Ao todo, serão ofertadas 84 vagas, 70 para multiplicadores e 14 para dinamizadores. A ação terá duração de 10 meses.

Henrique disse que o programa é uma boa iniciativa – o comparou ao projeto agentes de saúde, implantado nos anos 80 – e o definiu como boa política de saúde, embora cometa um grande equívoco: a desobrigação do jovem em morar na comunidade em que vai atuar.  

Acompanhe a análise completa no player a seguir: