Categorias
Destaque1 Destaque3

Passe o dia bem informado com o Alerta Geral

O que você não pode deixar de saber:

  • Construtoras do Minha Casa, Minha Vida ameaçam demitir trabalhadores;
  • Elevação do volume de água em rios e riachos coloca em risco vida de estudantes e crianças;
  • Funceme descarta possível ciclone na Grande Fortaleza;
  • Quem não fizer revisão biométrica pode perder até o Bolsa Família;
  • Troca de farpas entre aliados do presidente Bolsonaro e do Governador Camilo Santana;
Jornal Alerta Geral #62 – Quarta-feira (03/04/19)

Destaques de hoje. Fique ligado: – Construtoras do Minha Casa, Minha Vida ameaçam demitir trabalhadores;- Elevação do volume de água em rios e riachos coloca em risco vida de estudantes e crianças; – Funceme descarta possível ciclone na Grande Fortaleza;- Quem não fizer revisão biométrica pode perder até o Bolsa Família;- Troca de farpas entre aliados do presidente Bolsonaro e do Governador Camilo Santana;

Posted by Ceará Agora on Wednesday, April 3, 2019
Categorias
Economia Destaque1 Destaque3

“O governo está patinando”, afirma Beto Almeida sobre número de desempregados

O número de jovens de até 24 anos que desistiram de procurar emprego, os chamados desalentados, triplicou em quatro anos. O número pulou de 600 mil para mais de 1,76 milhão. No fim de 2018, o desemprego para esse grupo já era de 27,2%. Para o jornalista Beto Almeida, “o governo está patinando” e não consegue gerar vagas de trabalho.

O tema ganhou destaque no Bate Papo Político desta segunda-feira (1), entre os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida, que comentaram os impactos que esses dados podem trazer aos trabalhadores que estão entrando no mercado de trabalho.

Para Beto Almeida, a retomada da indústria, da economia e do mercado, esperada desde 2014, não ocorreu. Segundo o jornalista, o país até saiu da resseção – retração geral na atividade econômica -, mas não conseguiu gerar a retomada da economia e nem confiança da indústria.

Acompanhe a análise:

Bate Papo Político desta segunda-feira (1)
Categorias
Política Destaque1 Destaque3

Para Beto Almeida, “Guedes acabou fazendo um papel que não é dele”

Depois de faltar à audiência pública na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJC) da Câmara dos Deputados, o ministro da Economia, Paulo Guedes, participou, nessa quarta-feira (28), de um debate na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. A sessão começou com clima tenso.

No Bate Papo Político desta quinta-feira (28), os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida comentaram a ida de Guedes à Comissão. Segundo os jornalistas, o ato de Guedes assumir o papel de mediador político é sintomático. Para Beto Almeida, o papel de mediar o debate com os parlamentares seria do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, o que não está acontecendo.

Os jornalistas destacaram, também, as dificuldades de se articular a aprovação da Reforma. Luzenor de Oliveira destacou que o ato de “escalar ministros” demonstra a falta de envolvimento do próprio presidente com a proposta a ser votada. Os jornalistas apontam que é preocupante, diante do debate sobre a Reforma, o presidente “perder tempo com polêmicas.

Clima tenso na reunião

Pouco antes do fim da sessão, Guedes baixou a guarda e mudou a postura, afirmando que não é o superministro. O ministro também se desculpou pelo clima tenso. “Quero pedir desculpas se fiquei irritadinho em alguns momentos, porque estou muito cansado. Andei levando ‘balaços’ de quem devia estar do meu lado“, finalizou.

Guedes admitiu, também, que ficou surpreso com a votação da Proposta de Emenda à Constituição que obriga a execução de emendas impositivas no Orçamento. A proposta foi aprovada na Câmara dos Deputados e veda o governo – votação que mostra como o cabo de guerra entre o Executivo e o Legislativo está armado.

Deixar o cargo

Em princípio, Guedes deveria falar sobre os problemas da Lei Kandir nos estados. Guedes reforçou a necessidade de um pacto federativo, após a aprovação da PEC da Previdência. Segundo ele, os técnicos preparam uma proposta com socorro aos estados que poderá superar R$ 4 bilhões ao ano – superior ao valor atual.

Ao ser questionado pela senadora Eliziane Gama (PPS-MA) se deixaria o cargo, caso não consiga aprovar a reforma, Guedes voltou a defender mais responsabilidade do Legislativo com a austeridade fiscal. Não tenho apego ao cargo, mas não tenho a irresponsabilidade de sair na primeira derrota“, afirmou o ministro.

Guedes admitiu a possibilidade de mexer em alguns pontos críticos da proposta, como Benefício de Prestação Continuada (BPC) e aposentadoria rural, mas alertou: a economia de R$ 600 bilhões a R$ 700 bilhões em 10 anos, em vez do atual R$ 1 trilhão previsto na proposta, não dá garantia da aposentadoria de filhos e netos.

Categorias
Política Destaque2 Destaque3

Com queda de Bebianno, a máxima prevalece: desgraça de um é oportunidade de outros

+ Queda de Bebianno
+ Reunião com Camilo
+ Entrevista com Domingos Neto
+ Nome para substituir Bebianno
+ Camilo vai a Brasília

Em semana decisiva para marcar o governo Bolsonaro, onde se discute reforma da Previdência e Lei Anticrime, o escândalo de candidatas laranjas do PSL, partido do presidente, e provável demissão do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, e dificulta a aprovação das medidas no Congresso. O grande desafio é evitar que esse escândalo atrapalhe a votação e, para isso, o governo terá que abrir os cofres e distribuir os cargos entre os aliados – a desgraça de um é a oportunidade de outros.

O assunto foi tema do Bate Papo Político desta segunda-feira (18), no Jornal Alerta Geral, entre os jornalista Luzenor de Oliveira e Beto Almeida. No Bate Papo, os jornalistas destacaram a máxima político que prevalece: “Não tem vácuo – A desgraça de um é a oportunidade de outros“. Se Bebianno ‘caiu em desgraça’, o governo terá que ceder aos estados e aliados. A distribuição de cargos do segundo escalão é a provável saída para angariar os votos necessários para aprovação das medidas.

Segundo o jornalista Beto Almeida, o presidente Jair Bolsonaro deve ir além do Twitter e procurar uma comunicação eficiente. Usar uma cadeia nacional de rádios, TVs, além das redes sociais – ato já anunciado para a apresentação dos pontos da reforma da Previdência – vem para evitar outros escândalos, como no caso de Bebianno, que surge na redes sociais e pode atrapalhar os planos de Bolsonaro.

Mais destaques

+ Camilo se reúne com os deputados federais do Ceará:O governador Camilo Santana recebe, nesta segunda-feira (18), no Palácio da Abolição, em Fortaleza, a bancada federal do Ceará para apresentação de um balanço sobre as ações adotadas pelo Governo Estadual no combate à violência e as medidas que estão sendo implementadas nas áreas de saúde e recursos hídricos.

+ Domingos quer reuniões mais frequente entre bancada e Camilo Santana:O coordenador da bancada do Ceará em Brasília, Domingos Neto (PSD), disse, nesta segunda-feira (18), disse que trabalha para que as reuniões com o governador Camilo Santana se tornem uma rotina na agenda da representação parlamentar.

+ Nome para substituir Bebianno: Floriano Peixoto é o nome cotado. É o oitavo militar a assumir a equipe do primeiro escalão. O governo está tentando, com isso, apagar o fogo para o que aconteceu até agora. Dois pontos na semana para criar o efeito positivo.

+ Camilo se reúne na 4ª com governadores: Camilo volta a se reunir com os demais chefes dos executivos estaduais, em Brasília, para discutir a agenda econômica do país. O encontro está marcado para o mesmo dia no qual a proposta de reforma da Previdência chega ao Congresso Nacional. Os governadores esperam conversar diretamente com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Categorias
Política Destaque1 Destaque3

Alerta Geral: com nova idade mínima, a Reforma se torna mais fraterna?

Reforma da Previdência define idade mínima e abre o debate: ela chega, assim, com um tom mais brando?

A Reforma da Previdência, que fixa a idade mínima em 65 anos para aposentadoria de homens e 62 anos para mulheres – com um período de transição de 12 anos – na opinião de alguns, chega com um tom mais brando, enquanto outros acreditam que ela é agressiva com parcela da população. O tema foi assunto no Bate Papo Político desta sexta-feria (15) entre os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida.

Para Luzenor de Oliveira, a reforma, em comparação com a vazada pela imprensa, em relação a definição da idade mínima, vem em um tom mais brando e “fraterno“, como disse o próprio presidente ao defender as medidas. Mas, contrapondo-se no debate, Beto Almeida discorda: “você é um otimista“. Para o jornalista, a faixa de transição reduzida – período para a proposta entrar em vigor – passando a 12 anos, faz com que parte dos trabalhadores não sejam beneficiados.

Desde o início, a equipe econômica defendeu uma idade mínima de 65 anos para homens e para mulheres. Já o presidente discordava da idade mínima das mulheres: queria 60 anos. Além disso, o tempo de transição desejado pelos economistas era de dez anos, algo também negociado por Bolsonaro, que queria 20 anos de transição. No final, o consenso ficou em 12 anos.

Categorias
Política Destaque1 Destaque3

Novas promessas e velha prática? Arnon cavou sua cova política, afirma Beto

O prefeito de Juazeiro do Norte segue com dias turbulentos. A Justiça do Ceará determinou a quebra de sigilo bancário e fiscal do prefeito Arnon Bezerra e de dois filhos dele, o deputado federal Pedro Augusto Geromel Bezerra e Elise Geromel Bezerra. Caíram na lista, também, servidores e ex-servidores.

As investigações da Polícia Federal e do Ministério Público Eleitoral dão sinais de que, diante de um discurso de renovação, o velho modelo político de Juazeiro do Norte se mantém. O assunto foi destaque no Bate Papo Política desta quarta-feira, 23, no Jornal Alerta Geral (Rádio FM 104.3 – Expresso Grande Fortaleza + 26 emissoras no Interior), entre os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida.

“Arnon desapartou da realidade. Continuou investindo em velhas posições, velhas práticas (e acabou cavando) sua própria cova política”. Assim, o jornalista Beto Almeida descreveu, fazendo relação com a fala da procuradora Raquel Dodge sobre corrupção, nessa terça-feira, 23, as denúncias do prefeito de Juazeiro.

  • Veja os detalhes da denúncia com o correspondente, Sólon Vieira:

O jornalista Luzenor de Oliveira traçou, ainda, um perfil de Arnon, ressaltando a expectativa dos juazeirenses para que, naquele momento, o Município entrasse em um novo ciclo político. Com expectativas frustradas, em pouco mais de um ano (de eleito), Arnon Bezerra vira notícia, alvo de denúncia e “Pedro Bezerra, também, de forma precoce, entra na mira da Polícia Federal“.

O que mais rolou

Denúncia de desvio em Pedra Branca

Ministério Público e Polícia Civil investigam esquema de desvio de dinheiro público em Pedra Branca.

Correspondente Sátiro Salles

Deputados estaduais cearenses conhecem a Casa

“Que os deputados cheguem com vontade de trabalhar”, ressalta o jornalista Luzenor de Oliveira, sobre a visita à Assembleia Legislativa para conhecer a estrutura.

Partidos que não atingiram a Cláusula de Barreira

O candidatos vinculados à partidos que não atingiram o número mínimo de deputados buscam se realinhar para seguir no jogo político. Acilon, “novo dono do PR” não ficou de fora da análise dos jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida.

Aneel propõe aumento de 11,62% na conta de luz no Ceará.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) propôs nessa terça-feira um reajuste médio de 11,62% nas tarifas da Enel Ceará. Para consumidores conectados à alta tensão, o aumento seria de 12,23%, e para a baixa tensão, de 11,39%. Se aprovadas, as novas tarifas devem vigorar a partir de 22 de abril.

Correspondente Welton Silva

Aqui, você pode acompanhar todo o Bate Papo Política e passar o dia bem informado!

Bate Papo completo
Categorias
Luzenor de Oliveira Destaque1 Destaque3

Luiz Pontes defende expulsão de Aécio e vê Tasso como ponto de equilíbrio no Senado

O ex-senador Luiz Pontes, em entrevista, nesta segunda-feira, ao Jornal Alerta Geral (Rádio FM 104.3 – Grande Fortaleza + 25 emissoras no Interior), cobrou uma autocrítica no PSDB com o reconhecimento aos erros cometidos ao longo da história, defendeu a expulsão do senador Aécio Neves e manifestou expectativas sobre a possibilidade do senador Tasso Jereissati ser eleito presidente do Senado.

”O que nos preocupa é não reconhecermos os erros que cometemos ao longo do tempo. Precisamos pensar um novo PSDB.
Se o Aécio não sair, tem que expulsá-lo”

”O que nos preocupa é não reconhecermos os erros que cometemos ao longo do tempo. Precisamos pensar um novo PSDB. Se o Aécio não sair, tem que expulsá-lo”, disse Luiz Pontes, que, embora fora da atividade parlamentar, se mantém ativo nos bastidores políticos e no PSDB. 

Ao ser questionado sobre a pré-candidatura de Tasso Jereissati ao Senado, Luiz Pontes afirmou que, ao alimentar o sonho de vê-lo no comando do Senado, não é bairrismo, mas sim a oportunidade de um homem ético, com equilíbrio e autoridade, dirigir o Senado para ajudar o Brasil e o próprio Governo de Jair Bolsonaro sem o toma-lá-dá-cá que marca a política brasileira.

Acompanhe a entrevista completa:

Categorias
Luzenor de Oliveira Destaque1 Destaque3

Juazeiro do Norte: com dois anos de mandato, Arnon tenta salvar prefeitura e o futuro político do filho

As festas de final de ano do prefeito de Juazeiro do Norte, Arnon Bezerra (PTB), terão um novo cardápio após a Operação da Polícia Federal e da Controladoria Geral da União (CGU) que o colocam no mapa de investigações sobre irregularidades, má gestão, suspeita de superfaturamento em obras e uso da máquina pública com fins eleitorais

A preocupação é ainda maior porque o filho de Arnon, deputado federal eleito Pedro Bezerra (PTB), é um dos principais alvos da Polícia Federal por suposto uso da máquina pública da Prefeitura de Juazeiro do Norte para a eleição à Câmara Federal. Arnon e Pedro estão expostos aos holofotes que despertam atenção sobre o grupo que controla a maior prefeitura do Interior do Estado.

Pedro Bezerra (PTB) ao lado do pai, Arnon Bezerra (PTB)

As denúncias são graves e geram inquietação porque a apreensão de documentos, celulares e equipamentos de informática podem dar um rumo inesperado às investigações e comprometer a prematura trajetória do herdeiro de Arnon Bezerra. O jovem Pedro Bezerra concorreu, pela primeira vez, a uma eleição, e saiu das urnas eleito deputado federal com 109.030 votos. A votação foi considerada surpreendente.

Resultado de imagem para pedro bezerra juazeiro do norte
Foto: Reprodução

Mesmo que fale com frequência que as contas de sua campanha foram aprovadas sem ressalvas pela Justiça Eleitoral, Pedro entra em um cerco de investigações que poderá levá-lo a desgastes e até mesmo a perda do mandato e de direitos políticos. Começar a carreira política sempre se explicando é ruim e fragiliza quem tem discurso de renovação, ética e pregação de mudanças na forma de fazer política.

Pedro Bezerra chegará, no dia primeiro de fevereiro de 2019, à Câmara dos Deputados, como um dos mais jovens parlamentares do Ceará. Se antes despertava atenção por ser herdeiro de Arnon, que exerceu mandatos na Câmara Federal entre 1995 e 2016, Pedro desembarca em Brasília sob os holofotes da mídia e os olhares de quem o enxerga como um dos alvos de investigações por possíveis irregularidades na captação de votos na sua primeira eleição de deputado federal. Uma largada ruim e que, se possível, precisa ser repensada!

Foto: Reprodução

Categorias
Luzenor de Oliveira Destaque1 Destaque3

Lua de mel: Pesquisa do Ibope aponta que, para 75% dos brasileiros, Bolsonaro está no caminho certo

Os brasileiros estão otimistas e deixam o presidente eleito Jair Bolsonaro em uma lua de mel bem consolidada. Uma pesquisa da CNPI, realizada pelo Ibope e divulgada, nesta quinta-feira, mostra que três em cada quatro entrevistados (75%) acreditam que o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), e sua equipe de governo estão “no caminho certo”.

Segundo a pesquisa, contratada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostra que, para 14% dos entrevistados, Bolsonaro está no caminho errado. Outros 11% não souberam ou não responderam. O Ibope entrevistou 2.000 pessoas entre 29 de novembro e 2 de dezembro em 127 municípios do Brasil. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, com 95% de nível de confiança.

Outros números da pesquisa expõem a popularidade do presidente eleito a ser empossado no dia primeiro de janeiro de 2019: quanto maior a renda familiar, maior o percentual dos que acreditam que a equipe de transição acerta em suas ações. Entre pessoas com renda familiar de até um salário mínimo, 70% concordam com as iniciativas tomadas enquanto que, entre famílias com renda superior a cinco salários mínimos, o percentual chega a 82%.

Quanto a expectativas sobre os novos rumos políticos do País, os brasileiros também demonstram confiança: a pesquisa aponta que, para 64% dos entrevistados, o governo de Bolsonaro será ótimo ou bom. Os que acreditam que será regular somam 18% e, ruim ou péssimo, 14%. Outros 4% não souberam ou não responderam.

O otimismo é ainda maior entre os homens:  69% acreditam que a futura gestão será ótima ou boa. Dentre as mulheres, o índice cai para 61%. Os mais pessimistas são os moradores do Nordeste, embora a maioria dos nordestinos aposte em um bom governo de Bolsonaro: 55% acreditam que será ótimo ou bom, enquanto 21% dizem que será ruim ou péssimo.

A pesquisa CNI/Ibope perguntou também aos entrevistados como se sentem em relação a 2019. Para 66%, a situação econômica do Brasil vai melhorar ou melhorar muito. Já 69% acreditam que a própria vida vai melhorar ou melhorar muito no ano que vem. As diferenças no otimismo não têm grandes diferenças se comparadas as faixas de renda, mas é maior entre homens e aqueles com renda mais alta.

Na avaliação de 43% dos entrevistados, a segurança pública é o problema que mais vai melhorar no governo de Bolsonaro. Em seguida, são citados corrupção e desemprego por 37% e 36% dos brasileiros, respectivamente. Saúde e educação aparecem em quarto (31%) e quinto (22%) lugares.

Quanto maior a escolaridade do entrevistado, maior a preocupação com segurança pública, corrupção, impunidade e lentidão da justiça.

O Ibope perguntou aos entrevistados o que eles acreditam que vai piorar no próximo governo. Em lista com 28 problemas, 14 ficaram tecnicamente empatados variando de 7% a 11% das citações. Os mais mencionados, no entanto, estão ligados à pobreza e desigualdade social, como desemprego, inflação, falta de moradia e impostos elevados.