Categorias
Saúde Destaque3

Inscrições do programa Médico da Família Ceará se encerram nesta segunda-feira

Os interessados em concorrer às novas vagas no Programa Médico da Família Ceará precisam correr! As inscrições, que podem ser feitas na página da ESP/CE, se encerram hoje às 13h. Lançada por meio do edital 23/2019, a seleção visa formação de 44 profissionais médicos para o curso de pós-graduação lato sensu em Atenção Primária à Saúde (APS).

O processo seletivo se dará em etapa única, por meio da aplicação de prova teórica escrita e objetiva, programada para o dia 15 de setembro. Os profissionais aprovados no certame atuarão nos postos de saúde localizados em comunidades da Capital, como parte de uma política de fortalecimento da atenção primária e das equipes de Estratégia da Saúde da Família.

A ação faz parte do Programa Juntos por Fortaleza, conjunto de incentivos públicos pactuados entre Governo do Ceará e Prefeitura de Fortaleza e que contou com investimento de quase R$ 10 milhões do Tesouro Estadual.

A formação dos médicos em serviço pelo programa terá duração máxima de um ano, com pagamento de uma bolsa mensal no valor de R$ 11.865,00, além de carga horária que contemplará 1.920 horas distribuídas entre atividades práticas de treinamento em serviço, atividades didáticas presenciais e/ou a distância, que inclui a elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e outras definidas pela coordenação do Programa.

O Programa Médico da Família Ceará foi regulamentado pelo Governo do Ceará por decreto assinado em março de 2019, com o objetivo de estimular a qualificação e valorização de profissionais da Saúde no âmbito da atenção primária. Os médicos integrantes da política pública são qualificados por meio de curso de pós-graduação lato sensu em APS, ofertado pela ESP/CE.

Categorias
Saúde

Profissionais do Programa Médico Fortaleza serão empossados para trabalhar nos postos de saúde

Os profissionais médicos selecionados para a primeira turma do Programa Médico Fortaleza serão empossados nesta segunda-feira (12/08), às 9 horas, na Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP). O programa está estruturado com formato de pós-graduação em que a Prefeitura de Fortaleza realiza em parceria com o Governo do Estado, por meio da Escola de Saúde Pública.

A solenidade de posse dos novos profissionais contará com a presença do prefeito Roberto Cláudio, do governador Camilo Santana, da secretária da Saúde de Fortaleza, Joana Maciel, do secretário estadual de Saúde, Carlos Roberto Martins Rodrigues, e do superintendente da Escola de Saúde Pública, Salustiano Gomes de Pinho Pessoa, além de outras autoridades.

O programa surgiu como parte de uma política de fortalecimento da atenção primária, possibilitando o complemento de equipes de Estratégia da Saúde da Família e fomentando o interesse de médicos para o trabalho nos Postos de Saúde.

A formação terá duração de um ano, com pagamento de uma bolsa mensal no valor de R$ 11.865,00, custeada pelo Tesouro Municipal de Fortaleza. Durante o curso de Pós-Graduação latu sensu em Atenção Primária à Saúde (APS), os médicos participarão de atividades de ensino e práticas de treinamento em serviço.

Dentre as diretrizes de formação, estão às linhas de cuidado assistencial com base nos indicadores epidemiológicos (principais agravos), a sensibilização dos médicos para o conceito de Redes de Atenção e a garantia do cuidado nos diferentes ciclos de vida (gestação e nascimento, saúde da criança, saúde da mulher, saúde do homem, saúde do idoso).

Capacitação
Durante a primeira semana deste mês de agosto, os médicos já participaram de Curso Introdutório em Atenção Primária à Saúde de Fortaleza. Com carga horária de 40 horas, a capacitação foi realizada pela SMS, na Escola de Saúde Pública (ESP), com o objetivo de apresentar a Rede de Saúde do Município.

Programa Saúde na Hora
Outra estratégia de fortalecimento da atenção primária foi a adesão de Fortaleza ao Programa Saúde na Hora do Ministério da Saúde, no qual a capital cearense foi o município brasileiro com maior número de postos habilitados.

Em junho de 2019, a Prefeitura de Fortaleza habilitou 58 postos de saúde, ou seja, 45% dos primeiros 128 postos de saúde que aderiram ao Programa do Governo Federal em todo o País. A portaria com a homologação dos 24 primeiros municípios habilitados, que oferece incentivo financeiro federal para funcionar com horário estendido foi publicada em 14 de junho de 2019, no Diário Oficial da União.

Com a entrada dos novos profissionais médicos do Programa Médico Fortaleza, o Município terá um número ainda maior de unidades habilitadas a receber esses recursos. Em Fortaleza, desde 2013, na primeira gestão do prefeito Roberto Cláudio, os postos de saúde passaram a contar com um gestor para cada unidade, prontuário eletrônico e horário de funcionamento estendido de 7h às 19h com objetivo de ampliar o acesso da população aos serviços da Atenção Primária, como consultas médicas e odontológicas, coleta de exames laboratoriais, aplicação de vacinas e pré-natal. Essas são as premissas para qualificação no Programa Saúde na Hora.

Com a adesão ao programa, as unidades que recebiam R$ 21,3 mil para custeio de até três equipes de Saúde da Família passam a receber R$ 44,2 mil, o que representa um incremento de 106,7% ao incentivo de custeio. As unidades que possuem atendimento em saúde bucal, o aumento é de 122%, passando de R$ 25,8 mil para R$ 57,6 mil.

 

*Informações da Assessoria da Prefeitura de Fortaleza

Categorias
Saúde

Mais Médicos: profissionais têm até hoje para se apresentar nos municípios

O prazo para que os profissionais do Programa Mais Médicos se apresentem nos municípios para os quais foram selecionados encerra nesta sexta-feira (28). Mais de mil locais brasileiros e dez Distritos Sanitários Especiais Indígenas recebem reforço nas unidades de saúde.

Ao todo serão 1.975 profissionais selecionados durante o 18º ciclo do programa. Segundo o Ministério da Saúde, o reforço beneficiará mais de 6 milhões de pessoas que vivem nas áreas mais vulneráveis do Brasil. Algumas delas com histórica dificuldade de acesso, caso de localidades ribeirinhas, fluviais, quilombolas e indígenas.

Os municípios cearenses que receberão a maior quantidade de médicos por localidade serão Caucaia, com 21 vagas, Sobral, com 12 vagas preenchidas e Pentecoste com 11.

Categorias
Saúde

Mais Médicos: profissionais já podem indicar municípios de atuação

Os profissionais aptos a participar do Programa Mais Médicos já podem indicar os municípios onde têm interesse de trabalhar. De acordo com informações divulgadas nesta sexta-feira (7) pelo Ministério da Saúde, os médicos têm até as 12h da próxima segunda-feira (10), para acessar o site do programa e fazer suas indicações. São oferecidas 2.149 vagas em 1.130 municípios com os maiores índices de vulnerabilidade social do país nos 26 estados da Federação, exceto no Distrito Federal, além de 13 distritos sanitários especiais indígenas (DSEIS).

Conforme o ministério,a primeira fase do 18º ciclo do programa dá prioridade à participação de profissionais formados e habilitados com registro em conselhos regionais de Medicina (CRM) de estados brasileiros. Para garantir a imparcialidade na escolha dos profissionais, tiveram preferência na classificação médicos com perfil de atendimento para a atenção primária, com títulos de especialista ou residência médica em medicina da família e comunidade.

Caso sobrem vagas, serão oferecidas aos profissionais brasileiros formados em outros países e que já tenham habilitação para o exercício da medicina no exterior. A previsão do Ministério da Saúde é que os médicos comecem a atuar nas unidades de saúde em junho deste ano.

Categorias
Saúde Destaque2

É absurdo encontrar médicos cubanos ociosos enquanto tem gente prescisando, afirma Beto Almeida

“O governo cubano pode ter os seus defeitos, mas os profissionais não”.

Afirmou o jornalista Beto Almeida no Bate-papo Político do Jornal Alerta Geral (Expresso FM 104.3 na Capital + 26 cidades no Interior) ao falar sobre a atuação situação dos médicos cubanos remanescentes no Brasil.

Você pode acompanhar a discussão na íntegra clicando no player abaixo:

As vagas deixadas por esses profissionais e abandonadas por médicos brasileiros deixam cidades do interior do país, a exemplo do que acontece no Ceará, em carência de assistência.

Enquanto isso, aproximadamente 2 mil médicos cubanos estão nas ruas excercendo outras atividades, como de motorista, ambulante, faxineiro, pedreiro, dentre outras. 

Luzenor de Oliveira destaca a entrevista que a presidente do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde do Ceará (Cosems), Sayonara Cidade, deu ao Jornal Alerta Geral, onde ela falou sobre a possibilidade de articulação por parte dos secretários de Saúde dos Municípios para reabertura das inscrições desses médicos cubanos.

Para Beto Almeida, é contraditório por parte do Governo Federal o descaso com esses profissionais, uma vez que foi dito que haveria todo o suporte necessário para eles.

“É um absurdo você encontrar um profissional desse [oscioso], enquanto nós temos em todo o Brasil, [gente] precisando desses médicos e é essa burocracia infernal atrapalhando a vida do brasileiro.”

Disse Beto Almeida.

Categorias
Saúde

Em entrevista, presidente do Cosems propõe que médicos cubanos ocupem vagas ociosas no Ceará

Em entrevista ao Jornal Alerta Geral desta quinta-feira (11), a presidente do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde do Ceará (Cosems-CE), Sayonara Cidade, alertou que mais de 400 vagas do Programa Mais Médicos, no Ceará, estão ociosas. De acordo com a secretária, o número é preocupante e, principalmente para os municípios do Interior, as vagas deixadas em aberto poderiam ser preenchidas pelos médicos cubanos que continuaram no país.

Ainda segundo Sayonara, por enquanto, os atendimentos estão sendo feitos de maneira incompleta e sem sucesso. Os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida apontam as diferenças entre médicos cubanos e brasileiros. Segundo eles, os médicos brasileiros podem abandonar o posto a qualquer momento e, por conta disso, precisam ser convencidos pelo Ministério da Saúde. Para Luzenor, esses profissionais precisariam demonstrar uma garantia no edital de seleção. “Por exemplo, o médico tem que passar pelo menos 6 meses”, destaca o jornalista.