Categorias
Cidade

Boa quadra chuvosa garante água para mais 60 dias nas comunidades do sertão caucaiense

As chuvas intensas que caíram este ano em Caucaia deixaram a zona rural do município, especialmente as localidades mais afastadas, cujo acesso é difícil, com acesso à água mais facilitado.

As cisternas estão abastecidas e, segundo avaliação da Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil (Compdec), há estoque para os próximos dois meses em todas as propriedades.

Com isso, a Prefeitura de Caucaia e o Exército Brasileiro manterão suspensa a operação Caminhão-Pipa por mais 60 dias.

Por mês, a Compdec distribui 744 carradas d’água, cada uma equivalente a 8.000 litros, o que representa um total de 5,9 milhões de litros mensais.

Recebem água da Operação Carro-Pipa as seguintes regiões: Pindoba, Boqueirãozinho, Boqueirão, Boqueirão da Arara, Porteiras, Coité-Pedreiras, Catarina, Lameirão, Lagoa das Bestas, Jandaiguaba, Tabuleiro Grande, Tucunduba, Bom Princípio, Sítios Novos, Guararu, Mirambé e Catuana.

Populações afetadas pela seca, sem encanamento e com cisternas comunitárias podem acionar a Defesa Civil pelo telefone (85) 3342.0718.

Categorias
Ceará Destaque3

Quadra chuvosa do Ceará é a melhor dos últimos 7 anos

As precipitações da estação chuvosa de 2019 foram as melhores dos últimos sete anos, de acordo com dados do balanço da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). A média histórica da quadra chuvosa é 600,7 milímetros. De acordo com a Funceme, choveu 676,3 milímetros entre fevereiro e maio, 12,6% acima do esperado.

Mesmo com as boas precipitações, o abastecimento de água para a Grande Fortaleza ainda preocupa. Segundo o secretário de Recursos Hídricos do Estado, Francisco Teixeira, a reserva atual do sistema Jaguaribe-Região Metropolitana, que abastece Fortaleza, é de 11,9%. Em outubro de 2015, quando foi divulgado o Ato Declaratório reconhecendo o cenário de escassez hídrica no Ceará, esse volume era de 19,2%.

Sobre o quadro, a Funceme afirma que os meses de fevereiro e março foram responsáveis pelos números. Ainda segundo Francisco Teixeira, onze cidades cearenses estão com nível de criticidade alta na questão de abastecimento. São eles:

  1. Monsenhor Tabosa,
  2. Quixeramobim,
  3. Caririaçu,
  4. Mombaça,
  5. Parambu,
  6. Salitre,
  7. Piquet Carneiro,
  8. Tamboril,
  9. Irauçuba,
  10. Pereiro e
  11. Pacoti.
Categorias
Cotidiano

Quadra chuvosa termina com 18 açudes em volume morto e 29 sangrando

No fim da quadra chuvosa de 2019, que compreende os meses de fevereiro, março, abril e maio, o Ceará registra 18 de seus reservatórios com volume morto. O dado é da resenha diária divulgada pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh). No entanto, o panorama é melhor do que no fim do mesmo período de 2018, quando o número foi 39% maior, com 25 reservatórios nesta situação. Nesta sexta-feira, 31, último dia da quadra, existem 42 açudes com volume acima de 90% e 29 sangrando.

O aporte registrado neste ano foi de 2,74 bilhões de metros cúbicos (m³), o maior desde 2011. Antes da quadra chuvosa, pelo menos 28 açudes estavam com volume morto no Estado. Outros 16 eram considerados secos. Apenas três reservatórios tinham 90% da capacidade preenchida: Cocó, Germinal e Jenipapo. No início de fevereiro, somente 10% da capacidade dos 155 reservatórios do Ceará estava preenchida. Atualmente, o volume adquirido chega a completar 21,47% da capacidade. Em 2018, a quadra acabou com 17% do volume total dos açudes.

Com as chuvas registradas nesta quadra, muitas das bacias hidrográficas monitoradas já receberam quantidade de precipitações maior do que o esperado para o ano inteiro. A bacia Coreaú, que tem 10 açudes, recebeu 1.393,6 milímetros em 2019. O acumulado é maior 34,9% do que a média anual. Também localizada na parte do estado que mais registrou chuvas, a bacia Litoral teve mais de 1.125 mm. No entanto, quatro bacias não atingiram a média histórica de chuvas, incluindo a do Médio Jaguaribe, onde é localizado o Castanhão, maior reservatório do Estado.

Dados consolidados sobre as consequências da quadra chuvosa e perspectivas para o restante do ano no Ceará serão divulgados na próxima semana, dia 5 de junho. Das 7 horas de quinta-feira até o mesmo horário desta sexta-feira, 31, choveu em pelo menos 65 municípios. A maior precipitação foi no Crato, com 40 mm. A previsão da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) para esta sexta-feira é de nebulosidade variável com possibilidade de chuvas no litoral.

Categorias
Cotidiano

Quadra chuvosa de 2019 é a terceira melhor do Ceará em 20 anos

A quadra chuvosa de 2019, que compreende os meses de fevereiro a maio, é a terceira melhor já registrada no Ceará nos últimos 20 anos. Com uma semana para o fim do período, o volume de chuva já atingiu 671.9 mm no Ceará.

A média deste ano fica atrás apenas dos índices contabilizados em 2009, quando choveu 977.1 mm, e em 2008, que registrou 771.9 mm de precipitações. As chuvas devem continuar ocorrendo até o fim de maio, mas com menor frequência e intensidade. O mês que teve o maior volume de chuva do período de 2019 foi março, que acumulou 208.9 mm, ultrapassando a média histórica prevista para o mês (203.4 mm). De acordo com o meteorologista Raul Fritz, da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), a previsão de boas chuvas para o Estado foi confirmada.

O balanço parcial aponta que as chuvas ficaram dentro do previsto nos dois prognósticos apresentados, com melhor distribuição no Centro-Norte do Estado em detrimento da região Centro-Sul, relatou.

Volume de reservatórios 

Mesmo com a boa média de chuva em 2019 no Estado, os três maiores reservatórios do Ceará continuam com menos de 30% do volume. O Castanhão, o maior do Ceará, passou de 3,7% para 5,5% no período. O abastecimento do açude, inclusive, para a Região Metropolitana de Fortaleza foi suspenso por conta do baixo percentual, e deve durar até 30 de junho.

O Orós, o segundo maior do Estado, teve aumento de 3,8% no volume, passando de 5,4% para 9,2%. O Banabuiú, terceiro maior, registrava no início do ano 5,4% e está com 8,1% atualmente.

O Estado está com 21,4% de volume de água nos 155 açudes monitorados pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh). Em 2018, os reservatórios acumulavam em média 17,1% de volume.

Categorias
Geral Ceará

Quadra chuvosa: mais de 80 municípios cearenses apresentam fortes chuvas

Pelo menos 80 municípios cearenses registraram pancadas de chuvas entre terça-feira (30) e quarta-feira (1º), feriado do Dia do Trabalhador. De acordo com dados parciais coletados pela Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), Aracati teve o maior volume acumulado de precipitações, foram registrados 74 milímetros (mm) no município.

De acordo com o sistema meteorológico, as chuvas foram mais intensas no litoral da Região Metropolitana de Fortaleza. Além de Aracati, as maiores chuvas ocorreram em Beberibe e em Aquiraz.

Já na capital cearense, os pluviômetros registraram 34 mm. Mesmo com pouca intensidade, foram registrados alagamentos no Centro e em vários bairros como Parquelândia.

Confira os municípios com maior incidência de chuva:

Aracati: 74 mm

Beberibe: 67 mm

Aquiraz: 62 mm

Fortim: 58 mm

Guaiúba: 51 mm

Paracuru: 46 mm

São Gonçalo Do Amarante: 46 mm

Pacajus: 46 mm

Categorias
Ceará Destaque2

Ceará atinge média histórica na quadra chuvosa

Faltando um mês e dois dias para a conclusão da quadra chuvosa no Estado, que acontece de fevereiro a março, o Ceará já atingiu a média histórica. Segundo dados da Fundação Cearense de Pesquisa e Meteorologia (Funceme), os números apontam que, de fevereiro até essa segunda, o Ceará registrou 600,9mm, 0,2 milímetros a mais que a média de 600.7mm

A Funceme esclarece que, embora a média tenha sido atingida, os números de abril estão sujeitos a alteração até o fim do mês, podendo oscilar para mais ou menos, pois muitos postos não informaram ainda o a quantidade de chuvas registradas. Em fevereiro, foi registrado 172,5mm, cerca de 45,4% a mais que a média do período, março obteve 235,2mm, um desvio positivo de 15,6% e abril registrou 2,7% a mais esperado.

Apesar dos números positivos, não há muito o que se comemorar em relação ao aporte dos principais açudes monitorados pela Companhia da Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh). Dos 155, apenas 32 estavam sangrando, seis estavam acima de 90% da sua capacidade e 74% com menos de 30% de aporte. Nas regiões Centro-Sul e Central, onde se localizam os maiores açudes cearenses, as precipitações têm sido abaixo da média.