Categorias
Geral Destaque1 Destaque3

Pagamento do IPTU em cota única com desconto máximo vai até esta quinta-feira (7)

A Secretaria de Finanças de Fortaleza disponibiliza, em seu site oficial, o Documento de Arrecadação Municipal (DAM) para consulta e impressão do pagamento do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) em cota única e com 8% de desconto pode ser feito até esta quinta-feira (7)

Em 2019, a Prefeitura enviou boletos aos endereços via Correios. Caso os documentos não cheguem até três dias antes do vencimento, a 2ª via pode ser acessada pela Internet ou nos postos de atendimento para pagamento em tempo hábil.

Serviço

A consulta do valor do IPTU 2019 e a impressão do Documento de Arrecadação Municipal (DAM) poderão ser feitas a partir do dia 10 de janeiro pelo site www.sefin.fortaleza.ce.gov.br.

A impressão dos boletos pode ser feita no site da SEFIN, nas opções “parcela” ou “carnê”.

Na página virtual os cidadãos poderão consultar e imprimir os boletos de pagamento parcelado de todos os meses “a vencer” ou a parcela individual clicando em IPTU 2019 acima da foto principal ou no banner rotativo BOLETOS IPTU 2019. Após inserir a inscrição do imóvel o internauta pode escolher a opção “Imprimir carnê”. Será gerado um pdf com todos os boletos a vencer com suas respectivas datas futuras.

Este ano, a SEFIN enviará apenas uma remessa do Documento de Arrecadação Municipal, no final do mês de janeiro. O boleto terá disponível todos os códigos de barra para os pagamentos em cota única e, também, em parcelas.

Não haverá envio para os isentos no imposto. A declaração de isenção poderá ser impressa no site da SEFIN.

Para o pagamento após o vencimento, retirar a 2ª via nos seguintes locais:

  • Pela internet, neste mesmo site 
  • Nas Secretarias Regionais, no Vapt Vupt Messejana ou no Setor de Atendimento do IPTU, na Secretaria Municipal das Finanças, na Rua General Bezerril, 755, Centro.

Para confirmação do pagamento pode ser emitida uma certidão negativa de débitos para o imóvel.

Categorias
Política

PF deflagra a 5ª fase da Operação Registro Espúrio

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (13/12) a quinta fase da Operação Registro Espúrio, visando aprofundar investigações sobre organização que atua em fraudes e desvios relacionados a registros sindicais junto ao Ministério do Trabalho.

Nesta fase, o foco continua sendo o desvio de valores da Conta Especial Emprego e Salário – CEES, por meio de pedidos fraudulentos de restituição de contribuição sindical.

Policiais federais cumprem 14 mandados de busca e apreensão, expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília, Goiânia, Anápolis e Londrina.

Durante as investigações da Operação Registro Espúrio, a PFl verificou, após a análise e cruzamento de dados coletados, que a organização criminosa desviou, pelo menos, R$ 12.965.349,33 da Conta Especial Emprego e Salário.

Segundo a Divisão de Comunicação Social da Polícia Federal, o esquema funcionava da seguinte forma:

        1) a organização criminosa arregimentava entidades interessadas na obtenção fraudulenta de restituições de contribuição sindical supostamente recolhidas indevidamente ou a maior na CEES;

        2) os pedidos, feitos com base na Portaria n.3.397/1978-MTE, eram manipulados pelo grupo criminoso, com o reconhecimento indevido do direito creditório;

        3) os valores eram transferidos da CEES para a conta da entidade, com posterior repasse de um percentual para os servidores públicos e advogados integrantes do esquema.

Para viabilizar a empreitada criminosa, a ORCRIM arregimentou o Consultor Jurídico do Ministério do Trabalho – cujo afastamento do cargo foi determinado pelo STF-, efetivando, ainda, a nomeação, no final do ano passado, de um membro da quadrilha para exercer o cargo de Superintendente Regional do Trabalho no Distrito Federal, com o intuito de deferir, de forma irregular, os pedidos de restituição formulados por entidades ligadas ao bando.

Os investigados irão responder pelos crimes de peculato, corrupção passiva, corrupção ativa, falsificação de documento público e lavagem de dinheiro.

Ton Silva