Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O terreno da Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza, localizado na Av. João Pessoa, está sendo leiloado para pagar uma dívida de cerca de R$ 21 milhões da entidade com cerca de 400 trabalhadores. O processo foi movido no ano de 1992. De acordo com a Justiça do Trabalho do Ceará. De acordo com o coordenador dos leilões na Justiça do Trabalho do Ceará, juiz André Barreto, já houve outras tentativas de vendas do imóvel, mas sempre esbarravam no inconveniente de desalojar doentes e deixar centenas de pessoas sem atendimento médico.  Desse modo, a área com os prédios foi tirada da negociação e o terreno em leilão, avaliado em R$ 25,6 milhões, não possui edificações.

O terreno da Santa Casa de 37,7 mil metros quadrados está localizado na Av. João Pessoa. Nele funcionam o hospital psiquiátrico São Vicente de Paula e a Igreja Sagrado Coração de Jesus, que medem juntos quatro mil metros quadros. Depois do detalhamento do local, para definir quais partes poderiam ser penhoradas, foi firmado um acordo entre o Sindsaúde e a Santa Casa.  Pelo pacto, foram excluídas as áreas da unidade hospitalar e da igreja. Assim, o terreno que vai a leilão ficou com uma extensão de 33,7 mil metros quadrados.

Qualquer pessoa ou empresa pode participar do leilão. O lance inicial será de 70% do valor da avaliação, cerca de R$ 17,9 milhões. O interessado pode adquirir o imóvel com uma entrada de 25% e parcelar o restante do pagamento em até 30 meses. Para mais informações basta acessar os sites dos leiloeiros.

Para garantir o pagamento da dívida trabalhista de aproximadamente R$ 21 milhões, a Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza também antecipou uma parte em dinheiro e reforçou a penhora com outros imóveis de menor valor, que também devem ser vendidos.

Entenda o caso

Em 1992, o Sindsaúde ingressou com uma ação trabalhista reivindicando que a Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza pagasse aos funcionários diferenças salariais decorrentes do Plano Bresser. Esse plano econômico, lançado em 1987, congelou preços, aluguéis e também salários. O processo já tramitou por todas as instâncias e agora encontra-se em fase de execução.