Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A 3ª Vara Criminal de Fortaleza realizou, na tarde dessa segunda-feira (13/02), audiência de instrução sobre o latrocínio do delegado da Polícia Civil, Aldízio Ferreira Santiago, ocorrido em novembro de 2016, no bairro Maraponga, na Capital. A sessão, presidida pelo juiz titular da unidade, Ricardo Emídio de Aquino Nogueira, ocorreu das 15h30 às 18h30, no Fórum Clóvis Beviláqua.

O Ministério Público do Ceará (MPCE) arrolou oito testemunhas, das quais foram ouvidas sete. A última testemunha seria uma menor que teria participado do crime. No entanto, esta não foi apresentada e será novamente requisitada para prestar depoimento no próximo dia 28 de março. Nesta data, deverá ocorrer ainda a oitiva das duas testemunhas de defesa e o interrogatório do réu Danilo Andrade de Sousa.

Segundo o processo (nº 0184282-75.2016.8.06.0001), no dia 15 de novembro de 2016, o delegado foi abordado pelo réu (que portava arma de fogo) e por uma menor na rua Noruega, em Fortaleza. A vítima, que estava acompanhada pelo filho e pela nora, reagiu e foi atingida com um tiro no rosto, morrendo imediatamente.

Levando o celular do delegado, a dupla fugiu. Depois, abandonou a motocicleta que utilizou no crime. Ainda durante a fuga, Danilo abordou outra vítima e, com a arma, roubou a motocicleta dela. O acusado foi localizado e preso no dia seguinte. O réu confessou os crimes no momento da abordagem. Já na delegacia, permaneceu calado. No dia 23 do mesmo mês, em uma audiência de custódia, a prisão em flagrante foi convertida em preventiva.

Com informação da A.I