Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A regulamentação do trabalho intermitente no país foi debatida hoje (21) em audiência pública da Comissão Especial da Reforma Trabalhista (PL 6.787/16). A modalidade, geralmente praticada por bares, restaurantes, eventos e casas noturnas, permite a contratação de funcionários sem horários fixos de trabalho. Atualmente a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) prevê apenas a contratação parcial, aquela cuja duração não exceda a 25 horas semanais.

Para o juiz da 8ª Vara do Trabalho de Curitiba, Felipe Calvet, a medida vai regulamentar situações que já ocorrem no dia a dia do trabalhador brasileiro. O magistrado defendeu o Projeto de Lei 3.785/12, do deputado Laércio Oliveira (SD-SE), que institui o trabalho intermitente. “Não me parece que haverá diminuição de direitos na proposta”, disse.

Segundo Calvet, a legislação atual faz com que trabalhador e empregador atuem na informalidade. “Trabalhadores serão trazidos para a formalidade com a regulamentação, não trazendo qualquer diminuição aos direitos já garantidos”, disse.

Insegurança e incerteza

O professor de direito do trabalho da Universidade de São Paulo (USP) Jorge Luiz Souto Maior rebateu a argumentação de Calvet.  “O trabalho intermitente gera insegurança e incerteza muito grande. Ele não sabe se vai ser chamado, de que dia e de que forma e quanto vai ganhar no final do mês”, disse Souto Maior

Para o professor, medidas como a regulamentação do trabalho intermitente, a prevalência do negociado sobre o legislado e a regulamentação da terceirização vão levar as relações de trabalho no Brasil de volta ao século 19.

“Teremos empregador negociando com trabalhadores intermitentes, terceirizados, que não se socializam, não sindicalizam e vão negociar sem limites legais. A soma disso é o fim total dos direitos”, disse. Souto Maior acrescentou que a medida pode gerar mais ações judiciais. “Alguns dispositivos, se registrados em lei, vão aumentar as ações na Justiça do Trabalho”.

Oportunidade a jovens

De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Paulo Solmucci Júnior, o trabalho intermitente vai dar oportunidades a jovens para manter atividades profissionais e estudos. Para ele, quando regularizada, a medida vai formalizar as relações entre empregados e patrões. “Nós estamos falando de um jovem hoje que está tendo sua vida precarizada sem emprego”.

Solmucci diz que a remuneração de um trabalhador eventual varia de 60% a 80% acima do valor-base praticado por sua categoria.

O subprocurador-geral do Trabalho Luís Antônio Camargo de Melo disse que países como Portugal, Itália, França e Estados Unidos têm legislação específica sobre o trabalho intermitente, que garantem segurança ao trabalhador. “O tempo de espera do trabalhador nos Estados Unidos deve ser compensado. A remuneração mínima pelas horas de espera é o valor do salário mínimo da região.”

Melo disse que a reforma trabalhista vai precarizar as regras trabalhistas e pode ser prejudicial ao trabalhador brasileiro. Para ele, a alternativa para a atual crise é a redução do custo tributário para os empresários. “Se estamos em uma crise, não vai ser precarizando ou prejudicando o trabalhador que vamos dar a volta por cima.”

O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade (Contratuh), Moacyr Roberto Tesch, defendeu que a regulamentação do trabalho intermitente atende a interesses somente dos empresários. “A proposta não vai gerar emprego. Não é esse tipo de procedimento [que é necessário], mas sim fazer com que a economia gire para avançar”, disse Tesch. Caso aprovada a reforma, Tesch diz que “vai chover ações trabalhistas em virtude da inconstitucionalidade que já vem sendo demonstrada”.

Votação

Ontem (20), em São Paulo, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, disse que a reforma trabalhista deve ser votada na primeira quinzena de abril. Em seguida, a Casa vai apreciar a reforma da Previdência. As medidas têm causado polêmica, mas segundo o governo federal, já há maioria no Congresso Nacional para garantir a aprovação das duas reformas. Maia garante que as medidas não serão “desfiguradas”.

Até o momento, 422 emendas foram apresentadas ao texto da Reforma Trabalhista. Parlamentares têm até esta quarta-feira (22) para propor alterações ao texto. Segundo o relator da proposta, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), há pelo menos 80 emendas que modificam pontos da “espinha dorsal” do texto, que é a prevalência do negociado sobre o legislado. O item é uma das maiores polêmicas do projeto de lei. “Há uma preocupação inclusive em dar uma blindagem para evitar contestações posteriores”, disse Marinho.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp