Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Os deputados federais se preparam para voltar a Brasília e, no início de fevereiro, abrir o debate sobre o projeto mais impopular do Governo do presidente Michel Temer. A reforma da previdência social está na agenda da Câmara Federal e, pelo desejo do Palácio do Planalto, será aprovada, sem muitas mudanças, até o final do mês de abril. Serão dois meses de debate que acordará as centrais sindicais para mobilização contra as novas regras para concessão de aposentadorias e benefícios. A idade de 65 anos para homens e mulheres se aposentarem é a proposta que mais assusta os trabalhadores. Mas outras medidas – como restrição para concessão de pensões, também, corroem o sonho dos brasileiros de conquistarem um beneficio previdenciário quando o compan heiro ou a companheira falecer. Presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, reconhece a pressa para o Governo ver votada a reforma previdenciária, admite que a proposta será aprovada no primeiro semestre de 2017, mas considera que os excessos contidos no projeto serão contidos. Rodrigo Maia não revelou o que considera excesso, mas afirmou, por exemplo, que limitar a regra de transição somente pra quem esta na faixa de 50 anos de idade pode ser injusto. Fique atento. Fique atenta. Confira o editorial completo no player abaixo:

Editorial 09.01