Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O recomeço no sistema socioeducativo se inicia assim que o adolescente entra em uma unidade e começa ser acompanhado pela equipe multidisciplinar dos Centros Socioeducativos do Estado. A partir daquele dia, ele não está apenas cumprindo uma medida por conta de um ato infracional cometido, ele também está criando seu Plano Individual de Atendimento (PIA), que irá lhe permitir construir uma nova trajetória de vida, com apoio das políticas públicas e com suporte da família.

Para fortalecer esse processo o Programa de Práticas Restaurativas criado em 2017, estabelece que todas as unidades socioeducativas do Estado realizem uma vez no mês um momento intitulado “Abraços em Família”. A ideia partiu de exemplos de centros socioeducativos que já utilizavam os encontros familiares como uma forma de apresentar aos parentes dos adolescentes aquilo que eles vinham realizando durante o cumprimento da medida.

Elisa Barreto, diretora do Centro Socioeducativo Aldaci Barbosa Mota, foi uma das colaboradoras do projeto, escrevendo seu escopo e ajudando na implantação em cada unidade, e conta um pouco sobre o objetivo deste trabalho para as unidades.

“O Abraço em Família, à partir do modelo e formato pensado pela SEAS, tornou-se um evento de grande importância para as famílias e para os socioeducandos em seu processo socioeducativo. Mensalmente a SEAS sugere um tema que é trabalhado em vários contextos das atividades, em sala de aula, nas oficinas culturais e de artes. Os adolescentes além do estudo do conteúdo, dedicam-se aos ensaios para as apresentações, à confecção da decoração. Todo esse empenho nos preparativos visam tornar esse momento bonito, alegre e satisfatório para as suas famílias. E essa dedicação vem sequenciada de um resultado sempre muito positivo, perceptível no fortalecimento dos vínculos afetivos, no acolhimento amoroso recíproco entre à família e o adolescente, e ressalte-se ainda o despertar da consciência da importância do papel da família na vida dos filhos, dentro e fora do ambiente socioeducativo”.

Para que o projeto siga a mesma vertente em todos os centros socioeducativos, a Coordenadoria das Diretrizes Pedagógicas da Seas fica responsável por organizar e escolher temáticas referentes ao cotidiano dos adolescentes para que sejam trabalhados com eles e seus familiares durante todo o mês, tendo sua culminância no dia do “abraço em família”, ocasião em que uma devolutiva desse processo é entregue. Para além disso, atividades como dança, teatro, produtos confeccionados em oficinas, entre outros, são apresentados para os familiares fazendo, assim, com que haja um acompanhamento e estreitamento dos laços de sentimento que, em alguns casos, estão distanciados.

Para, Juliana Marinho, Assessora Técnica do Eixo de Arte e Cultura e uma das responsáveis pelo acompanhamento desse processo, o projeto reflete no fortalecimento de vínculos.

‘’Os adolescentes têm oportunidade de debater temas que buscam desenvolver o protagonismo juvenil, a participação direta, o autocuidado e o cuidado com o próximo e com a comunidade, fortalecendo vínculos afetivos e colaborando para a construção de um ambiente colaborativo e de paz’’.

Temas

Com uma agenda interligada entre todas as unidades para se trabalhar o mesmo tema durante o mês, novembro intercalou entre sugestões e trabalhos que resultaram em projetos de vida.

Mesmo que em diferentes tipos de atividades o objetivo final era o mesmo: materializar um Plano Individual de Atendimento Socioeducativo, por meio da construção de mapas, mandalas de habilidades, bandeiras pessoais, músicas, raps, textos, círculos de paz, entre outras metodologias.

 

 

 

 

(*)com informação do Governo do Estado do Ceará

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp