Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Uma decisão que sai da Justiça Federal no Rio de Janeiro poderá abrir caminhos para centenas de segurados do INSS que adotam crianças. Segundo a decisão do Tribunal Regional Federal, da 2ª Região, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) terá que pagar o salário-maternidade a uma segurada que adotou uma menina de 12 anos. Ficou decidido que o órgão não pode negar a concessão do benefício com base na idade da criança. A Previdência Social alegou, nesse caso, que o benefício somente poderia ser pago no caso de crianças adotadas que não tenham 12 anos completos.

De acordo com a decisão da juíza Marcela Brandão, que julgou o pedido da segurada procedente, o INSS terá que fazer o pagamento do benefício por 120 dias, conforme determina a lei previdenciária. Em defesa da mãe, a juíza argumentou que “o benefício em questão, nos casos de guarda e adoção, tem a principal finalidade de contribuir para a adaptação do adotando ao convívio com a nova família, levando em consideração suas necessidades e peculiaridades psicológicas e emocionais, além de possibilitar meios concretos de formação do vínculo afetivo, entre os envolvidos, no processo de adoção, por meio do estímulo ao convívio direto, entre adotante e adotando”.

De acordo com o INSS, o salário-maternidade é concedido por 120 dias, no caso de adoção ou guarda judicial para fins de adoção. Se o adotado tem 12 anos de idade completos ou mais, o benefício não é pago. Vale destacar que o salário-maternidade é devido a todas as seguradas. No caso particular das contribuintes individuais e facultativas (autônomas e donas de casa, por exemplo), deve haver um mínimo de dez contribuições do INSS antes do parto. A ideia é evitar que a mulher comece a contribuir já grávida, prejudicando o sistema previdenciário, segundo os especialistas.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp