Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Tenho plena convicção, infelizmente, de que tem – sempre houve – algo de muito podre na política brasileira. Contudo, agora estou alarmado com o quadro atual revelado pela Operação Lava Jato. Simplesmente, não consigo compreender mais nada. A Procuradoria-Geral da República pede que o Supremo Tribunal Federal ordene a abertura de inquéritos contra a metade da República que detém o altamente discutível foro privilegiado.

O ministro-relator da Lava Jato no STF, Edson Fachin, autoriza que sejam investigados noves ministros de Estado, os presidentes da Câmara e do Senado, 29 senadores, 42 deputados federais, três governadores e um ministro do Tribunal de Contas da União, só para citar os figurões, representantes de praticamente todos os partidos políticos.

E TODOS, TODOS, simplesmente, negam TODAS, TODAS as acusações contra eles, aceitas e mandadas investigar pela Suprema Corte do País. Realmente, a conta não fecha. Ou a PGR e o Supremo estão sendo extremamente levianos e irresponsáveis, e esses homens são TODOS, TODOS mais injustiçados e santos do Universo, ou TODOS, TODOS bandidos de um cinismo execrável, capazes de usar a Justiça em defesa de seus crimes.

As voltas que o mundo dá

Pode acreditar, o deputado federal José Guimarães, ex-líder do governo Dilma na Câmara, está elogiando o senador Renan Calheiros, ex-presidente do Senado e protagonista do “golpe” que tirou a “presidenta” do Palácio do Planalto. Motivo? Renan está criticando Michel Temer, o “golpista”, substituto de Dilma. Trocando os quatro por qualquer coisa, o dono sai perdendo a tampa.

Nosso Dória

Até o final de abril, os terminais de integração de ônibus, praças Públicas, “Vapt Vupt” dos bairros Messejana e Antônio Bezerra, além de outros locais de grande circulação da cidade receberão o programa Feiras de Pequenos Negócios de Fortaleza. Tudo bem, digamos que o programa seja sério e não apenas mais uma jogada de marketing do prefeito Roberto Cláudio. Por&e acute;m, quando é que o João Dória (prefeito de são Paulo) cabeça-chata vai enfrentar mesmo, para valer, o crônico e seríssimo problema da Feira da José Avelino, que está acabando com o Centro da Cidade?

Hora dos buracos e do lixo

Está passando da hora de o prefeito Roberto Cláudio começar a mandar tapar os buracos provocados pelas chuvas nas ruas e avenidas da cidade. Isso sim está sendo um impedimento sério de mobilidade urbana. Nem os ônibus conseguem trafegar com segurança. Só quem está rindo à toa com a buraqueira são os borracheiros, que nunca faturaram tanto consertando pneu furado e roda de carro empenada. O lixo acumula do nos espaços públicos também já chama atenção e exige ação da prefeitura. Que tal se concentrar nos buracos e no lixo e esquecer um pouco os binários e bicicletários, obsessão primeiro mundista do prefeito de Fortaleza.

O pior cego

Depois de uma série de reuniões promovidas pelo Ministério Público Federal, a Arena Castelão assumiu o compromisso de providenciar um camarote com 25 lugares para abrigar 11 estudantes, 11 responsáveis e três representantes do Instituto dos Cegos que assistirão aos jogos e terão direito a lanches e vagas especiais no estacionamento da arena.Sei não, viu… Tem alguém mesmo interessado em assistir as “peladas” do futebol cearense? Além disso, essa seria uma prioridade verdadeira de estudantes com deficiência visual.  Um lanchinho ainda vai bem.

Invasão cara-pálida

A Prefeitura de Maracanaú quer construir um teleférico na reserva dos índios Pitaguari. A informação é do secretário municipal de Turismo, Gerson Cecchini, que foi a Brasília tratar do assunto junto à Funai. O equipamento, segundo o secretário, seria para desenvolver o turismo na reserva, onde existe um açude de bom tamanho e muito bonito, além de outras belezas naturais, produção de artesanato e danças dos índios. No final, os Pitaguari terminam “dançando”.

Caminhos das pedras

Os setores identificados como altamente promissores para o Ceará participaram, na Casa da Indústria, da elaboração da Rota Estratégica para o setor de Meio Ambiente da FIEC. A elaboração faz parte do Projeto Setores Portadores de Futuro para o Ceará, uma construção coletiva das visões de futuro dos setores e áreas industriais promissoras para o Estado até o ano de 2025.

Mapa da mina

Prometem: energia, eletrometalmecânico, indústria da Construção e de minerais não metálicos, logísticas, saúde, TIC, indústria agroalimentar, economia do mar, biotecnologia, produtos de consumo, meio Ambiente, turismo e economia criativa.

Tudo a ver, mas…

“A ideia é transformar a Avenida Monsenhor Tabosa em um grande polo de arte, lazer e cultura. Além do comércio que movimenta a avenida mais querida de Fortaleza, durante a manhã e tarde, queremos uma vida noturna. A proposta é abrir espaço para os artistas locais, ações sociais e a gastronomia. Será a nova Lapa brasileira!”, afirma entusiasmada a nova presidente da associação que representa os lojistas da região, Márcia Sérgia Oliveira. Com esse objetivo, a associação “tem firmado novas parcerias e fortalecido laços com o poder executivo e legislativo”. Os “laços”, talvez, já não sejam uma boa ideia.

E por falar em boa ideia

A Cagece está identificando ligações irregulares que jogam águas pluviais para a rede de esgoto. O trabalho tem como áreas prioritárias os bairros do Meireles, Varjota e Mucuripe e deverão ser visitados cerca de 1.400 imóveis na região. A iniciativa ficaria ainda melhor se a Cagece identificasse e corrigisse os pontos de desperdício de água em sua velha e mal conservada rede de abastecimento.

Então tá

Para o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, a reforma da Previdência “não é uma questão de opinião, mas de necessidade.” Ele espera que a proposta siga para votação no plenário da Câmara dos Deputados nas próximas semanas. Se for adiada, adverte, a votação pode impa ctar nas projeções feitas pelo governo sobre a reforma e, por isso, a aprovação do texto final deve ocorrer “o mais rápido possível”.

Pecém em movimento

Como uma das principais portas de entrada e saída de mercadorias da região, Porto do Pecém apresentou resultado significativo, no primeiro trimestre. O aumento de 100% na movimentação, quando comparado ao mesmo período de 2016, mostra os resultados dos investimentos que estão sendo realizados em Pecém. O total de 4.176.903 toneladas movimentadas, é fruto do incremento nas exportações, que cresceram de 259.355 toneladas, em 2016, para 1.024.428 t, e importações, de 1.830.386 t para 3.152.475 t toneladas.

Granel sólido

Apesar de apresentar um amplo mix de cargas movimentadas, existem as que mais se destacam. Este ano, o primeiro lugar ficou com o granel sólido, que participou com 61% das movimentações (2.561.801 t). Em relação ao tipo de navegação, a de longo curso (com portos de outros países), cresceu 70%, tendo como principal produto movimentado o carvão mineral (1.457.690 t).

Placas de aço

Nas exportações o destaque ficou por conta das movimentações de placas de aço (763.000 t). A cabotagem (movimentação entre portos brasileiros), que em 2016 sofreu uma baixa, este ano começa a crescer novamente. O incremento de 191% foi resultado, principalmente, do desembarque de minério de ferro (1.049.079 t).