Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Anitta é uma das famosas que ilustraram a edição de 2021 da Sports Illustrated Swimsuit Issue. A publicação, já considerada icônica, é feita anualmente pela revista norte-americana Sports Illustrated, e sempre traz celebridades importantes do mundo usando roupas de banho. A capa, aliás, também está marcando história, trazendo pela primeira vez uma atriz e modelo transgênero negra, a americana Leyna Bloom.

Durante a entrevista, Anitta contou o segredo para se sentir confiante em um maiô.


“Acho que [você só precisa] parar de pensar demais. Às vezes, pense demais. Se você acha que está incrível, ficará incrível. É tudo uma questão de mentalidade”, declarou.

A cantora ainda falou como é ser considerada um símbolo de poder e confiança feminino e que isso vem dela mesma.

“Se eu não pensar coisas incríveis sobre mim, quem vai fazer isso? Então, decidi ser essa pessoa que me elogia. E é isso. Não preciso de outras pessoas para abraçar minha beleza ou minha personalidade. Serei aquela que achará isso incrível. Acho que precisamos ser os primeiros a amar quem somos”, disse. “Você deve apenas procurar as coisas que ama em si mesmo. Por exemplo, eu não amo algumas coisas sobre minha aparência física ou caráter, mas tento olhar para o lado positivo e chamar a atenção para as partes que acho que são as boas. Não devemos amar cada parte de nós. Todo mundo tem imperfeições. Então, eu apenas olho para as positivas e coloco-as no nível 10”, completou.

Anitta revelou que, o melhor conselho que recebeu na vida foi da mãe, Miriam Macedo, que falou para ela não se preocupar com o que as pessoas pensam. “Eu tinha muito medo das pessoas, medo de suas opiniões, suas críticas. Eu era assim há muito tempo, mas então recebi este conselho de minha mãe. Então, hoje em dia, ela se preocupa mais com o que as pessoas pensam do que comigo”, confessou.

A cantora ainda falou sobre o sucesso e o reconhecimento internacional que está tendo com sua carreira.

“Eu alcancei minha maior credibilidade e tamanho no meu país. E, então, ter tantos outros países conhecendo meu trabalho e minha música e quem eu sou, isso é muito importante para mim. Eu sinto que alcancei o maior objetivo de todos os tempos. Nunca tivemos algo assim no meu país na música. Não quero mais nada. Claro, quero continuar trabalhando, e se vier mais agradecerei. Mas, não dependo disso mais para me sentir satisfeita para eu me sentir feliz”, disse.

(*)com informação da Revista Quem

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp