Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O número de adolescentes do sexo feminino vítimas de mortes violentas- homicídios, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte- cresceu 412,5%, em Fortaleza, nos sete primeiros meses deste ano, em comparação a igual período de 2017.

Foram 41 mortes no ano corrente, frente a apenas 8 assassinatos no ano passado, segundo levantamento do Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência (CCPHA), divulgado nesta sexta-feira (16). O estudo considera como adolescente pessoas de 10 a 19 anos de idade.

No Ceará, o crescimento do dado também foi expressivo: 220,8%. De janeiro a julho deste ano, 77 meninas foram mortas no Estado; em igual período do ano passado, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) registrou 24 mortes. Em Caucaia, outro município estudado além da Capital, o aumento foi de 250%, saindo de 2 assassinatos em 2017 para 7 crimes em 2018.

Nos sete primeiros meses do ano atual, 514 jovens (de ambos os sexos) foram mortos no Ceará; e 189, em Fortaleza. Ou seja, 14,9% das vítimas de todo o Estado são meninas; e 21,6% das vítimas da Capital são do sexo feminino.

O Comitê aponta que as mulheres em geral- jovens ou adultas – vêm sendo mais mortas, no Estado: “O incremento dessa violência contra mulheres está alterando a curva das mortes violentas no Estado. Historicamente, o percentual de vítimas de homicídios do sexo feminino, em todos os estados do País, não ultrapassa os 10% do total dos mortos. No último Atlas da Violência, com os dados de 2017 sistematizados pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o Ceará é o terceiro estado em taxa de homicídios de mulheres (de todas as faixas etárias), que representam 7,6% do total de mortos no Estado”.

Com informação do G1

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp