Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Mais de 2 milhões de eleitores irão às urnas no próximo domingo, 29, para definir o novo gestor das duas maiores cidades do Ceará. Os candidatos buscam ampliar, nesta última semana, a campanha política nas ruas, avenidas e bairros dos municípios a fim de conquistar o voto daquele eleitor que ainda permanece indeciso. Nesta segunda-feira (23), o tema foi destaque na pauta dos jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida.

Na capital, disputam o candidato da situação José Sarto (PDT) e o candidato da oposição Capitão Wagner (PROS). Já em Caucaia, Naumi Amorim (PSD) tenta reeleição contra Vitor Valim (PROS). Sarto conta com apoio de 17 partidos e tem ao seu lado o governador Camilo Santana, além dos irmãos Cid e Ciro Gomes. Por outro lado, Wagner tem o apoio do prefeito eleito em Maracanaú, Roberto Pessoa e diz que o povo fortalezense está com ele.

Beto Almeida ressalta que ainda existe uma expectativa sobre a posição da ex-candidata Luzianne Lins. A cúpula do PT no estado anunciou apoio a candidatura de José Sarto, porém, a ex-prefeita não participou do ato e não se manifestou publicamente sobre o cenário do segundo turno. “Seja como for as situações vão se tornar ainda mais nverosas inclusive no campo da justiça eleitoral”, pontua Beto ao falar sobre a retirada de propaganda de ambos os candidatos por irregularidades.

CNM reúne prefeitos eleitos

A Confederação Nacional dos Municípios convoca os prefeitos eleitos nos 182 municípios cearenses para uma reunião a fim de discutir os desafios que o ano de 2021 apresenta para os novos gestores. “É uma mobilização que chega em um bom momento e que o governo federal precisa desde já porque as cobranças irão chegar mais cedo a Brasília”, diz o jornalista Luzenor de Oliveira.

“A preocupação dos prefeitos eleitos e reeleitos é sobre principalmente como a crise vai afetar as prefeituras no ano que vem, quando estão assumindo esses novos gestores. Nós já enfrentamos hoje uma crise na área de geração de emprego, nas atividades que tem peso estratégico nos municípios, que são exatamente comércios e serviços…Não tá sendo fácil pra ninguém, você imagina assumir uma prefeitura, seja ela qual for, da menor a maior, sem você ter muitas perspectivas, de como vai ficar a questão do Fundo de Participação dos Municípios”, finaliza Beto Almeida.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp