Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O Bate Papo Político desta segunda-feira, 28, do Jornal Alerta Geral (Rádio FM 104.3 – Expresso Grande Fortaleza + 24 emissoras no Interior), repercutiu as medidas anunciadas pelo presidente Michel Temer em pronunciamento na noite desse domingo, 27, para tentar pôr fim a paralisação dos caminhoneiros que completou uma semana.

As medidas

– Redução de R$ 0,46 no preço do litro do diesel. Isso corresponde aos valores do PIS/Cofins e da Cide, somados. Segundo Temer, o Governo irá cortar do orçamento, sem prejuízo para a Petrobrás;

– A garantia de congelamento do preço do diesel por 60 dias. Depois disso, o reajuste será mensal, de 30 em 30 dias;

– Será editada uma Medida Provisória para a isenção de eixo suspenso em praças de pedágios, tanto em rodovias federais, como nacionais;

– O estabelecimento de uma tabela mínima de frete, conforme previsto no Projeto de Lei 121, em análise no Congresso;

– A garantia de que não haverá reoneração de folha de pagamento no setor de transporte de carga;

– A reserva de 30% do transporte da carga da Conab para motoristas autônomos.

+ Temer anuncia redução preço do diesel em R$ 0,46 para encerrar greve nas rodovias

O que disseram os representantes dos caminhoneiros

Ainda na noite desse domingo, os representantes da categoria se mostraram satisfeitos com as medidas anunciadas pelo presidente Temer. Segundo o presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, os caminhoneiros só devem aceitar as medidas após elas saírem no “Diário Oficial da União”, o que ocorreu ainda na noite de ontem.

A Abcam foi uma das entidades que ainda não havia assinado o acordo da última quinta-feira, 24. O grupo que não tinha assinado o acordo proposto pelo Governo na quinta por entender que ele não atendia às suas reivindicações. Diante da manutenção da greve pelos caminhoneiros, as entidades foram chamadas de volta a Brasília nesse domingo para negociar a nova proposta. De acordo com eles, com as estradas desobstruídas, serão necessários de oito a dez dias para normalizar o abastecimento de combustível e alimentos no país.

O presidente da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), Diumar Bueno, afirmou na noite desse domingo que os três pontos anunciados pelo Governo Federal atendem às reivindicações feitas pela categoria. Durante coletiva de imprensa em Curitiba, onde fica a sede da CNTA, ele disse, porém, que não pode garantir que a paralisação vai terminar.

Bueno disse que os caminhoneiros estão sendo avisados por meio da “logística de comunicação da categoria”, como grupos de WhatsApp. Segundo ele, o governo enviou as propostas para a CNTA por volta das 20 horas de ontem. O presidente do Sindicato dos Transportadores Autônomos de Carga (Sinditac) de Ijuí (RS), Carlos Alberto Litti Dahmer, disse que após a publicação das medidas no ‘Diário Oficial’ a recomendação dada aos caminhoneiros é que aceitem as propostas e liberem as estradas.

+ Caminhoneiros autônomos aprovam medidas propostas por Temer

+ Abcam confirma acordo com Governo e pede fim da paralisação

Para o jornalista Beto Almeida, as medidas atendem as reivindicações dos caminhoneiros, que pediam a chamada previsibilidade para poderem se planejar melhor durante as viagens. A categoria critica os reajustes diários dos preços dos combustíveis feitos pela Petrobras desde julho do ano passado. Com as medidas anunciadas pelo presidente Temer, as quais preveem que o reajuste nos preços dos combustíveis passem a ser mensais, a expectativa para Beto é que o planejamento das viagens dos caminhoneiros melhore.

O jornalista Luzenor de Oliveira destaca que o Governo Federal foi muito criticado durante a última semana, devido a demora para solucionar o problema. Luzenor, contudo, acredita que a reabertura do diálogo, nesse domingo, entre Governo e representantes dos caminhoneiros deve fazer com que a greve se encerre e tudo caminhe pelo “bom senso”. Para ele, as concessões do Governo Federal a categoria em greve, que vão impactar em R$ 10 bilhões nos cofres federais, é uma conta amarga que o Governo deve pagar, já que poderia ser muito maior caso a greve continuasse.

Confira no player abaixo o Bate Papo Político na íntegra!

BATE PAPO 28.05.2018

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp