Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Marcado por polêmicas, o ano de 2019 foi agitado na política nacional. Um dos debates travados se deu a partir da decisão do Governo Federal que tentou acabar com a “indústria da multa” através da retirada de lombadas eletrônicas nas BRs do país.

Os jornalista Luzenor de Oliveira e Beto Almeida discutiram sobre o assunto durante o Bate Papo Político do Jornal Alerta Geral (Rádio FM 104.3 – Grande Fortaleza, e é transmitido por outros 26 emissoras no Interior do Estado e pelas redes sociais do cearaagora) desta segunda-feira (23).

Beto enfatiza que para saber se há de fato fundamento nesta polêmica e entender quem está com a razão, Governo Federal ou os órgão de segurança federais que apontam a necessidade da fiscalização, é necessário analisar os números que “falam por si” e apontam como se encontra a situação no país.

Diante da proibição dos equipamentos eletrônicos de fiscalização nas rodovias federais que começou a valer no dia 16 de agosto desde ano, por decisão do presidente Jair Bolsonaro, a situação nas estradas sofreu alterações. O jornalista cita um levantamento realizado pela Polícia Federal, que aponta que entre o dia que a decisão entrou em vigor e o dia 31 de outubro, houve aumento dos acidentes de trânsito e do número de mortes nas estradas, que passou de 1.089 mortes para 1.102, um aumento de 1,19%.

“Nesse período que eu estou falando ai, 16 de agosto à 31 de outubro, foram registrados 14.629 acidentes em todo o Brasil”, aponta Beto, que ainda ressalta que o número representa um aumento de 7,2% em relação ao mesmo período do ano passado, quando havia fiscalização.

“Isso mostra claramente, que o motorista, quando ele se sente livre, sabe que agora naquele rodovia ele não corre mais o risco de ser flagrado, de ser punido, ele acelera, ele pisa fundo no acelerador, e isso acaba trazendo prejuízos, materiais com acidentes e mortes, vidas que se perdem”, afirma o jornalista.

Luzenor aponta que em uma rodovia onde não há fiscalização, não possui radar fixo, nem móvel, a tendência é que os motoristas acelerem, mesmo sem estarem com pressa. O jornalista ainda recomenda aos ouvintes e internautas, que são motociclistas ou motoristas, que tenham cautela ao conduzirem um veículo.

“Então é simples essa conta, ela é favorável ao uso da fiscalização. É inato do ser humano, quando ele sente que não tem um olhar de vigilância e fiscalização, a tendência é ele relaxar, relaxar no modo como ele conduz, relaxar na segurança, relaxar no excesso da velocidade”, destaca Beto.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp