Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Hora da decisão! O ano de 2020 traz consigo um momento de bastante efervescência política, a saber, as eleições para prefeitos e vereadores. Em Fortaleza, o atual prefeito Roberto Cláudio, no fim de seu segundo mandato, ainda não definiu que candidato apoiará como seu sucessor,  enquanto que a oposição já se antecipa com pré-candidaturas. O tema foi destaque no Bate-Papo Político desta segunda-feira (06).

“A expectativa é que nós tenhamos, por baixo, em torno de dez candidatos a prefeito nas eleições municipais de Fortaleza”, a afirmação é do jornalista Beto Almeida durante o Bate-Papo com o também jornalista Luzenor de Oliveira no Alerta Geral desta segunda (6). Enquanto pondera as possibilidades para sua sucessão, Roberto já consegue identificar os adversários que virão da oposição.

Pelo PROS, Capitão Wagner é o nome escolhido para concorrer novamente à prefeitura após a derrota em 2016; já o PSDB endossa a candidatura do ex-deputado estadual Carlos Matos, enquanto o parlamentar Heitor Freire cogita se lançar à disputa municipal pelo PSL. Além disso, Renato Roseno (PSOL), Heitor Férrer (SD), Célio Studart (PV) e Luizianne Lins (PT), são os nomes mais cotados para entrarem na briga pela prefeitura da capital cearense.

Com apoio federal, o deputado André Fernandes se coloca à disposição para também se inserir na corrida eleitoral, contudo, isto ainda depende da regularização do novo partido Aliança pelo Brasil, que necessita de assinaturas e a viabilização junto à Justiça Eleitoral para ser oficializado e, portanto, ter a possibilidade de lançar candidatos nas próximas eleições.

Diante de tantos personagens e candidaturas, o jornalista Beto Almeida questiona: “E como fica o MBD nessa história?”. A indagação surge diante da ausência de protagonismo por parte da sigla que possui o ex-senador Eunício Oliveira como principal liderança no Ceará. A agremiação viu-se suplantada pela articulação de Domingos Filho que arrebatou vários nomes do MDB para o PSD.

“Quando se fala em sumiço político é porque nós estávamos acostumados a ter o senador Eunício Oliveira no centro dos debates, participando de todas as discussões, hoje ele tá fora desse cenário político oficial, mas nas redes sociais ele continua ativo”, destaca Beto Almeida ao mencionar postagens do ex-senador com lideranças importantes como o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia.

Por fim, o jornalista Luzenor de Oliveira afirma que o distanciamento de Eunício do cenário político deixou o PMDB em uma situação delicada diante da disputa eleitoral tão acirrada que vai se desenhando para outubro de 2020:

“A ausência dele ao longo de 2019 após a derrota de 2018 na corrida pelo senado, fez com que o PMDB ficasse bem fragilizado”

Camilo Santana, uma incógnita

Em meio a necessidade de tomada de decisão, o prefeito também visualiza suas alianças para o pleito de 2020. No cenário pré-eleitoral, a grande incógnita está no posicionamento do governador Camilo Santana, que está dividido entre apoiar a candidatura de seu partido, PT, ou auxiliar na campanha do nome lançado pelo PDT de Roberto, Cid e Ciro Gomes.

Os pedetistas aguardam o apoio de Camilo tendo em vista o suporte oferecido pela sigla nas campanhas pelo cargo de governador em 2014 e 2018. Por outro lado, sob o discurso de fortalecimento das candidaturas próprias por parte do ex-presidente Lula, o Partido dos Trabalhadores não espera outra ação de Camilo, senão o apoio integral ao candidato petista.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp