Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Um grupo de oito deputados estaduais que integram a oposição ao Governo do Estado se reuniu, nesta terça-feira, na Assembleia Legislativa, para discutir e definir estratégias na votação de um projeto do Poder Executivo que mexe com o orçamento de organizações sociais. A reunião foi liderada pelo Capitão Wagner, do PR, que defende um estudo aprofundado sobre as mensagens enviadas à apreciação dos deputados estaduais pelo Governador Camilo Santana (PT). Wagner quer evitar que a redução do orçamento comprometa a qualidade dos serviços prestado pelo IDT, por exemplo. A informação está na Coluna Política e Economia, com o jornalista Carlos Alberto Alencar.

 

David e Golias

Líder do bloco de oposição na Assembleia, deputado Capitão Wagner reuniu em seu gabinete outros sete parlamentares para discutir estratégias para enfrentar os governistas. Um dos itens da pauta foi a redução anunciada pelo Governo do Estado de, no mínimo, 15% dos recursos do orçamento estadual para as organizações sociais, e que pode inviabilizar as ações do IDT, responsável, no Ceará, pela execução do Sine.

Te cuida, Temer!

Michel Temer tem dormido com o inimigo. Um dos membros de sua base aliada no Congresso, senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), disse que o Presidente precisa abrir mão da própria aposentadoria antes da votação da reforma da Previdência Social. Temer aposentou-se aos 48 anos, como integrante do Ministério Público de São Paulo. Caiado diz que é preciso haver “independência intelectual e moral” para discutir o assunto.

Não e não…

Deputado federal tucano e da base do Governo Temer, Daniel Coelho, de Pernambuco, garantiu que não vai aceitar nenhum tipo de aumento de impostos. “Pode arrumar outra solução”, disse o parlamentar sobre fala do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, sobre soluções para crise econômica. Ele promete até romper se o Governo insistir na tese.

2018 só em 2018

O primeiro encontro Eunício Oliveira-Camilo Santana após as eleições de 2014 ocorreu na presidência do Senado. Um detalhe do encontro: eles não falaram em nenhum momento nas eleições de 2018. O assunto foi projetos para o Ceará, com investimentos para as áreas da saúde e abastecimento de água. Ao serem instigados sobre as eleições, responderam que 2018 só se fala em 2018.

Fim de greve

Com a própria caneta, o presidente Michel Temer elencou restrições para que algumas categorias façam greve. Pelas sugestões a serem enviadas ao Congresso Nacional, há restrições a paralisações de garis, motoristas e cobradores de ônibus e os que trabalham no fornecimento de água e coleta de esgotamento sanitário, como exemplos. Todos teriam que garantir que 80% dos servidores fiquem trabalhando. No caso, da segurança pública este percentual sobe para 90%.

Sem Ferreira Gomes

Governador Camilo Santana (PT) esteve, recentemente, com os senadores Tasso Jereissati (PSDB) e Eunício Oliveira (PMDB). Em reuniões distintas, pediu apoio para os projetos do Ceará. Há, ainda, a possibilidade de aproximação com o PR, porém, a deputada federal Gorete Pereira foi clara: só conversaremos com Camilo quando ele se afastar dos Ferreiras Gomes. Gorete é a vice-presidente estadual do partido.

Amigo do peito

Ministro do STF e presidente do TSE, Gilmar Mendes, é hoje um dos principais conselheiros de Michel Temer. Na avaliação de Mendes, a comprovação do uso de caixa, potencializada pelos depoimentos de delatores do Grupo Odebrecht à Justiça Eleitoral, afeta a chapa Dilma Rousseff-Michel Temer como um todo. “Evidente que o vice participa da campanha”, disse o ministro. Gilmar não tem dúvida quanto à forma de preenchimento do cargo de presidente em caso de cassação da chapa.

Ninguém merece

Deputado federal Victor Valin (PMDB) apelou, em plenário, para que o senador Romero Jucá, de Roraima, deixe a presidência nacional do partido. “O PMDB não merece”.