Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Por meio da assinatura de um Memorando de Entendimento, nesta quarta-feira (30), o Governo do Ceará e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) firmaram parceria para o desenvolvimento de ações integradas em pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação na área da Saúde. A solenidade foi realizada durante visita ao Polo Industrial e Tecnológico da Saúde, localizado no Eusébio. Entidade francesa com a qual o Estado articula acordos futuros, o Instituto Pasteur também integrou o ato e conheceu as instalações da estrutura.

Participaram do encontro entre gestão estadual e instituições o governador Camilo Santana, a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, o presidente do Instituto Pasteur, Christian Bréchot, além de secretários de Estado e diretores e técnicos das duas entidades. Na cerimônia, o chefe do Executivo destacou o empenho do Governo do Ceará na articulação com os principais institutos de pesquisa na saúde do Brasil e do mundo para trazer mais desenvolvimento para o Estado.

“A maior reivindicação da população é ter mais qualidade na saúde. E a saúde não existe apenas no ponto de vista do dia a dia do atendimento, existe na pesquisa, na inovação, para, por exemplo, encontrar as saídas para enfrentar o problema da dengue, da chikungunya, isso é feito através de estudos, de formação dos profissionais. Estamos falando aqui de ter um centro de pesquisa e inovação, de produção de vacinas, de qualificação na área de saúde para o Ceará e para o Brasil. Isso com um braço operacional de um dos maiores e reconhecidos institutos de pesquisa no mundo, que é a Fiocruz, e ainda a ideia de termos o renomado Instituto Pasteur”, destacou Camilo Santana.

O memorando assinado prevê apoio a projetos em áreas estratégicas que contribuam para o desenvolvimento econômico e social do Ceará no campo da saúde, em articulação com instituições nacionais e internacionais. A pactuação envolve organização de cátedras de excelências, novos programas de pós-graduação e outras iniciativas de interesse das partes. O Governo do Ceará trabalha, junto à Fiocruz, no detalhamento de edital. De início, serão aproximadamente R$ 800 mil para impulsionar linhas prioritárias de pesquisa, como Biotecnologia, Saúde da Família.

Polo Industrial e Tecnológico da Saúde

O Polo Industrial e Tecnológico da Saúde compreende área de aproximadamente 73 hectares, no Eusébio, município da Região Metropolitana de Fortaleza. Para o local, o Governo planeja levar indústrias de referência no Brasil e no Exterior para ocupar o espaço e solidificar a produção para o setor. As indústrias selecionadas receberão incentivos de até 99% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) gerado em função da produção, da forma prevista na legislação do Fundo de Desenvolvimento Industrial (FDI), com retorno de até 1% e prazo de fruição de até uma década.

As duas primeiras empresas a terem estrutura no Polo são a Unidade de Ensino e Pesquisa Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), com inauguração prevista para este semestre, e o Centro de Plataformas Vegetais da Fundação Osvaldo Cruz (Bio-Manguinhos), que passa por terraplanagem.

Fiocruz

Fruto de investimento de R$ 180 milhões, o centro de pesquisa da Fiocruz no Ceará estará operando em sua plenitude até o final do ano no Ceará. “Temos ainda vizinha à fábrica, no Polo, a terraplanagem da fábrica da Bio-Manguinhos, que será fábrica de vacina de células vegetais, a primeira fora do Rio de Janeiro. Portanto nós queremos, nesta área em que o Governo está construindo todo acesso e infraestrutura, construir um grande polo de pesquisa, desenvolvimento e tecnologia na área da Saúde para o Nordeste e para o Brasil”, disse o governador Camilo Santana.

Presente na visita, a presidente da Fundação Oswaldo Cruz, Nísia Trindade, elogiou a estrutura das instalações da entidade no Ceará e projetou uma parceria de desenvolvimento na área de pesquisa e soluções para tratamento de problemas na Saúde que atualmente atingem a população, em especial, das regiões Nordeste e Norte.

“O processo de instalação de novos centros recentes tem como horizonte contribuir para redução das desigualdades regionais. Isso não é feito isoladamente por nenhum instituto de pesquisa, isso é feito a partir de uma política pública que tem que unir desenvolvimento social, ciência, tecnologia e educação”, afirmou.

No Polo também estão em curso as obras de Bio-Manguinhos, cujo investimento soma cerca de R$ 700 milhões. A previsão é de que o Centro Tecnológico de Plataformas Vegetais seja inaugurado entre 2019 e 2020. A primeira unidade produtiva terá duas plataformas, a de expressão transiente em folha de tabaco e a de cultura de célula vegetal. As tecnologias poderão ser usadas na produção de uma nova vacina para febre amarela e do biofármaco alfataliglicerase, para tratamento da doença de Gaucher.

Com informações Governo do Estado do Ceará