Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O Centro Regional de Inteligência de Segurança Pública foi inaugurado nesta sexta-feira, 7. A unidade de Inteligência é composta por agentes das policiais civis e militares dos nove estados, órgãos federais e outras instituições especializadas no combate às organizações criminosas, como o Ministério Público e o Poder Judiciário.

“Hoje o Ceará passa a contar com o primeiro Centro Regional de Inteligência de Segurança Pública em funcionamento, importante ferramenta para que se possa dar respostas concretas de segurança e proteção a todos os nordestinos”. Assim destacou o governador Camilo Santana, durante solenidade de implantação do equipamento.

A solenidade contou com a presença do Ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann; dos governadores do Maranhão e do Piauí, Flávio Dino e Wellington Dias; do presidente do Congresso Nacional, senador Eunício Oliveira; do ministro do Superior Tribunal de Justiça, Raul Araújo Filho, além de secretários de segurança dos estados do Nordeste e outras autoridades.

O objetivo da política é reunir agentes de Inteligência de todos os estados do Nordeste no combate ao crime organizado e facilitar a troca de informações estratégicas e sensíveis na área da segurança pública. “Para implantação da política serão investidos R$ 15 milhões de reais para equipamentos, banco de dados, tecnologia, pessoal e acompanhamento dessas ações”, afirmou o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann. “A palavra chave dos centros é integrar, não apenas as operações, é integrar a inteligência, o que chamamos de repressão qualificada contra o crime”, complementou Jungmann.

O Governo do Ceará se responsabiliza pela estrutura do equipamento, enquanto que o Ministério da Segurança Pública, via Secretaria Nacional de Segurança Pública, paga o custeio de pessoal e soluções de tecnologia. Serão dezenas de bases de dados – em constante atualização e aprimoramento – à disposição dos profissionais para a realização de investigações que desencadearão as operações policiais. Um exemplo de capacitação dos profissionais que trabalharão no Centro é o curso iniciado na última quarta-feira (6) ministrado pelo FBI: “Executive Reporting Techniques and Strategies” (Curso de Técnicas e Estratégias de Relato Executivo), envolvendo cerca de 70 agentes de segurança pública em Fortaleza.

“Colocamos à disposição do Governo Federal um equipamento com toda infraestrutura necessária para que possa ser assumida a coordenação da importante política nacional de inteligência em segurança pública, pois o crime ultrapassa a fronteira dos estados e é fundamental que os estados consigam trabalhar conjuntamente”, disse Camilo Santana. Já para o secretário da Segurança Pública e Defesa Social, André Costa, o Centro representa um marco na segurança pública não só no Nordeste mas no País. “Vamos trazer um novo rumo para a segurança do Ceará, do Nordeste e do País, integrando nossas inteligências, sistemas, bancos de dados. Será, sem dúvida, um grande avanço para a segurança pública do Brasil”.

O CIISPR Nordeste é resultado de demanda encaminhada pelo Governo do Ceará, durante reunião dos governadores dos estados nordestinos ocorrida em março deste ano, em Teresina, Piauí. Na ocasião, o governador Camilo Santana sugeriu a criação do Centro no Nordeste e ofereceu o Estado para recebê-lo, devido ao ambiente de integração das instituições federais e estaduais que favoreceu o desenvolvimento de tecnologias voltadas à segurança pública para apoiar as ações policiais não só no Ceará como no País, com destaque para a implantação do Laboratório Integrado de Segurança Pública (Lisp) no Ceará, em parceria com a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a Universidade Federal do Ceará (UFC). Todos os estados que participaram do encontro foram unânimes em concordar com a capacidade do Ceará em receber a unidade de Inteligência.

Pelo Ceará, o efetivo será composto pela Coordenadoria de Inteligência (Coin) da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), Departamento de Inteligência Policial (DIP/PCCE), Coordenadoria de Inteligência Policial (CIP/PMCE), Assessoria de Inteligência do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Ceará (Assint/BM), Coordenadoria de Inteligência da Secretaria de Justiça e Cidadania (Coint/Sejus) e outros setores de inteligência ligados a órgãos estaduais, como a Superintendência Estadual de Atendimento Socioeducativo (Seas) e a Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário do Estado do Ceará (CGD).

A rede de Centros Integrados de Inteligência de Segurança Pública foi concebida para unificar a ação de combate ao crime organizado por regiões. Entre os objetivos estão a integração dos agentes de segurança pública para produção de conhecimentos estratégicos e o acesso integrado dos conteúdos das bases de dados das diversas instituições e órgãos que compõem a estrutura de segurança pública.

O Centro Integrado de Inteligência de Segurança Pública – Regional Nordeste (CIISPR-NE) é a segunda das cinco unidades regionais que serão implantadas no país e integradas a um centro nacional, em Brasília (DF), para o combate ao crime organizado. A do Sul, sediada no Paraná, foi lançada na última quarta-feira (5), contudo, ainda não opera.

Durante a solenidade, o governador Camilo Santana assinou também um protocolo de compromisso para a construção de duas novas unidades prisionais no Estado com modelo de projeto padrão do Departamento Penitenciário Nacional.

Com informações Ascom Governo do Estado do Ceará

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp