Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Presidenciável do PDT, Ciro Gomes se encontrou, na noite dessa quarta-feira, 12, em Ipanema, na zona sul do Rio de Janeiro, com artistas para discutir questões relativas à legislação da produção cultural.

A conversa foi organizada pela atriz Patrícia Pillar, ex-mulher de Ciro, com a ajuda da produtora cinematográfica Mariza Leão, que cedeu sua residência para a reunião e colaborou com o programa de governo do candidato quando ele disputou a eleição presidencial em 2002.

Participaram do encontro artistas como Caetano Veloso, Marcelo Adnet, Tico Santa Cruz, Debora Bloch e Vladimir Brichta. Ciro esteve acompanhado da namorada, Giselle Bezerra.

Após a reunião, Ciro disse ao Jornal Folha de São Paulo que teve uma “noite muito rica”. “Foi uma conversa, sem compromisso, nenhum deles tem compromisso comigo. Uma conversa sobre Brasil, sobre futuro.”

O presidenciável afirmou ter ouvido sobre questões relativas à legislação da produção cultural. “Atribuo grande importância à cultura, ciência, tecnologia, educação. Isso que vai concentradamente mudar o Brasil.”

Ciro chegou ao local por volta das 19 horas e deixou o encontro às 23 horas. Mais cedo, participou de uma caminhada no centro da cidade. Caetano Veloso, que chegou ao evento por volta das 20h30, disse à Jornal Folha de São Paulo ter escolhido Ciro como candidato para fugir da polarização entre PT e PSDB.

“Na minha rede social falo Ciro, Ciro, Ciro. Estou na campanha discretamente, não posso fazer muita coisa, mas sou Ciro para presidente”, afirmou. “Não quero que fique nessa coisa PT-PSDB, não. E eu gosto dele desde que foi prefeito de Fortaleza, sou amigo dele.”

Nas últimas semanas, segundo relatos feitos à reportagem, Patrícia Pillar enviou mensagens em grupos de artistas e produtores perguntando quem gostaria de participar de um encontro reservado para ouvir as propostas de Ciro para o país.

A ideia inicial da equipe de campanha era de que a atriz gravasse um depoimento ou fizesse narração para o programa eleitoral. Com o receio de que pudesse haver restrições da Rede Globo, a intenção foi abandonada.

A gravação tinha como objetivo tentar desconstruir crítica de que Ciro seria machista. Em 2002, perguntado pela imprensa, ele respondeu que um dos papéis na campanha eleitoral da atriz, sua então mulher, era dormir com ele.

Com informações do Jornal Folha de São Paulo