Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de Fortaleza recebeu nesta quinta-feira, 27, representantes do Fórum Cearense da Luta Antimanicomial e de famílias que ocuparam uma área no bairro Luciano Cavalcante, nas proximidades da Av. Rogaciano Leite. Na questão da luta antimanicomial, a representante do Fórum, Márcia Araújo, reforçou a necessidade de um maior envolvimento do poder público com o fortalecimento da política nacional, e destacou que a falta de continuidade dos serviços vem prejudicando a população.

O Fórum Cearense da Luta Antimacomial entregou à presidente da Comissão, vereadora Larissa Gaspar (PPL), um relatório com a situação da política de assistência psicossocial na Capital, solicitando uma mediação do Legislativo junto à Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Outra questão apresentada foi a situação da Cooperativa Social do Centro de Atenção Psicossocial, que atua de forma direta na inclusão social da população atendida nos CAPS, e que não vem recebendo nenhum incentivo por parte do Município.

Na questão das famílias que ocuparam a área verde no Luciano Cavalcante e que receberam ordem de despejo para esta quinta-feira, a vereadora Larissa Gaspar, diante do conhecimento do posicionamento da gestão municipal, mediou junto ao secretário da Regional II, Ferrucio Feitosa, uma prorrogação da ordem de despejo. A medida, como apontou a parlamentar, tem como objetivo mediar um diálogo entre a Prefeitura de Fortaleza e as famílias.

Larissa Gaspar informou também informou aos vereadores da Comissão o envio de um documento, em conjunto com a Defensoria Pública do Ceará, pedindo a intervenção junto a 28 comunidades em situação de despejo. Os documentos, conforme a parlamentar, serão distribuídos aos integrantes da Comissão de Direitos Humanos para o conhecimento da situação das comunidades e da política de atenção psicossocial.

Fonte: Câmara de Fortaleza

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp