Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Foto: Reprodução.

Na véspera de uma paralisação dos trabalhadores de educação contra cortes no orçamento das universidades federais, parlamentares da base do governo e o Palácio do Planalto soltaram informações contraditórias sobre como o governo deve agir com relação ao tema.

Segundo reportagem do UOL, a ordem foi passada ao ministro da pasta, Abraham Weintraub, por telefone, nesta tarde. Líderes de quatro siglas reunidas com o presidente do Palácio do Planalto teriam presenciado o telefonema.

A decisão também havia sido confirmada pelo líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (PSL-GO).

“O presidente ligou para o ministro na nossa frente e pediu para rever. O ministro tentou contra-argumentar, mas não tem conversa”, afirmou Waldir.

O deputado afirmou que não haverá redução em outras pastas para compensar o dinheiro que não será mais retirado da Educação.

Pouco depois, no entanto, tanto os Ministérios da Educação e da Economia quanto a Casa Civil desmentiram, por meio de notas, o que os parlamentares diziam. “Não procede a informação de que haverá cancelamento do contingenciamento no MEC. O governo está controlando as contas públicas de maneira responsável”, afirmava o texto divulgado pelo MEC e pela Casa Civil.

Já a pasta chefiada por Paulo Guedes divulgou outro texto: “O Ministério da Economia esclarece que não houve nenhum pedido por parte da Presidência da República para que seja revisto contingenciamento de qualquer ministério”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp