Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Passados quatro meses da chegada da Covid-19 ao Ceará, a Secretaria da Administração Penitenciária apresenta o balanço das ações e resultados no plano de prevenção e combate a doença que paralisou e assusta o mundo. Práticas como higienização das unidades, confecção e distribuição de máscaras, entrega de luvas e álcool gel em pontos estratégicos, testes, triagens médicas e criação de leitos especializados foram algumas dessas ações realizadas pela SAP. Todas elas com a parceria e orientação de órgãos como a Secretaria de Saúde do Ceará, Cruz Vermelha e Departamento Penitenciário Nacional.

O secretário da pasta, Mauro Albuquerque, reitera que as ações preventivas foram cruciais para que o sistema penitenciário não entrasse em colapso nesse período.

“Quando se compara a outros sistemas e até a sociedade comum, percebe-se resultados positivos no trabalho. Esse saldo é consequência das várias medidas preventivas para evitar a proliferação descontrolada do vírus dentro do sistema penitenciário. O forte investimento em EPIs, a disciplina dos protocolos e a massiva testagem preventiva são o tripé das ações”, assegura.

Além das práticas, a SAP criou um modelo de Enfermaria de Segurança Máxima referência para o tratamento de quadros leves.

“Transformamos uma unidade em enfermaria com 196 vagas, além de quatro leitos de observação e um de isolamento. Todos os leitos equipados com tudo que é necessário. Muitos que estão ali são assintomáticos ou tem sintomas leves da doença. Os mais graves são encaminhados para as unidades de saúde, todos regulados e monitorados pelo nosso núcleo de saúde e pela Secretaria de Saúde do Estado”, esclarece.

Números

Atualmente são 19 internos na Enfermaria Máxima de Saúde com quadro leve e moderado da doença e cinco em isolamento e observação em enfermarias dos módulos de saúde de unidades do interior, o que dá um percentual de 0,1% de internos em tratamento, quando se compara a população carcerária do Estado. Três internos foram a óbito nesses quatro meses de pandemia, dois deles com quadro de co-morbidades.

O Núcleo de Saúde também registra, nesse momento, 22 policiais penais afastados para tratamento da doença, o que representa algo em torno de 0,5% do efetivo de agentes do sistema prisional. Um agente que estava afastado desde de novembro de 2019, para um tratamento de outra doença crônica, foi a óbito. Neste momento são 51 dias sem mortes de internos pelo novo Coronavírus e 15 dias sem contaminação de policias penais na Região Metropolitana de Fortaleza.

Testes e prevenção permanente

A SAP realizou 5.395 testes entre servidores, internos e policiais penais. É o Estado que mais testou dentro do sistema carcerário. Outra determinação realizada pela SAP é que os testes são realizados dentro das unidades de triagem, portas de entrada para o sistema penitenciário.

Esse procedimento detectou 58 casos de internos admitidos no Sistema Prisional já infectados pela Covid-19. Esses internos foram encaminhados imediatamente para a Enfermaria Máxima de Saúde.


A palavra relaxamento não faz parte do cotidiano da SAP. As prevenções seguem da mesma maneira dentro das unidades prisionais do Ceará. O Secretário Mauro Alquerque acredita na mudança de cultura e defende ações permanentes até uma resolução definitiva contra a doença.

“Estamos cada vez mais rígidos e visualizamos de forma permanente a prevenção. Fabricamos as máscaras no sistema, seguimos os protocolos, distribuímos e exigimos uso das máscaras para servidores e internos e determinamos o uso dos outros EPIs obrigatórios por tempo indeterminado. Toda a nossa preocupação se torna permanente. O novo Coronavírus é uma forte ameaça e não descansaremos na prevenção e combate”, finaliza.



(*)com informação do Governo do Estado do Ceará

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp