Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O Governo do Ceará também divulgou, na reunião na SSPDS nesta quarta-feira, o consolidado dos índices de Crimes contra o Patrimônio (CVPs) e Crimes Violentos Letais e Intencionais (CVLIs), referente ao mês de abril. Pelo quarto mês consecutivo, o número de roubos apresentou queda no Estado. Enquanto isso, os índices de CVLIs (homicídios) no Ceará apresentou acréscimo de 37% no mês de abril (de 274 em 2016 para 377 em 2017). Na capital cearense, o aumento foi de 86,7% (de 75 em 2016 para 140 em 2017).

A redução dos CVPs no Estado, em abril, foi de 7,3%, comparados ao mesmo período do ano passado. Enquanto em 2016 os roubos somaram 6.499, neste ano o número foi de 6.026 (- 473 a menos). Na Capital, a queda foi de 8,1% (de 4.154 em 2016 para 3.819 em 2017).

Os furtos também seguem em queda no Ceará. Se em março os índices caíram 8,9%, no mês de abril a redução fechou em 9,5% (de 4.677 em 2016 para 3.233 em 2017). Em Fortaleza, a diminuição de furtos chegou a 17,3% (de 2.683 em 2016 para 2.218 em 2017).

No acumulado deste ano, de janeiro a abril, em relação ao mesmo período do ano passado, a queda de roubos e furtos apresentam queda em todo o Estado de, respectivamente, 8% e 6,7%.

O secretário da Segurança e Defesa Social, André Costa, ressaltou que hoje as Forças de Segurança do Estado atuam em regiões antes nunca exploradas em Fortaleza e em outros municípios do Ceará. Essa presença mais intensa das polícias na área de mais ações da criminalidade, destaca o titular da SSPDS, também causa reações que contribuem para a variação nos índices apresentados. “A gente vai continuar ampliando o trabalho. Não podemos permitir que os territórios fiquem nas mãos do crime organizado. Estamos fazendo esse enfrentamento e impedindo a ação e, claro, isso gera uma reação, efeitos colaterais. Mas a gente vai sempre trabalhar para melhorar e diminuir o impacto desses índices”, disse Costa.

Continuidade nas ações

Ao longo do evento da Segurança Pública, Camilo Santana ressaltou a necessidade de se continuar ampliando as ações e fortalecendo as equipes para combater a violência em todo o Estado. O governador garantiu que, hoje, a variação dos CVLIs é preocupação central no debate junto à equipe da SSPDS e de todos os órgãos vinculados.

“Vamos trabalhar para identificar mais precisamente o que está ocorrendo, principalmente neste mês de abril, que foi um mês muito atípico em relação ao que vinha acontecendo no Ceará. Estou incomodado com essa situação, tanto que tenho determinado aqui a presença mais forte da polícia. O secretário tem fortalecido as operações no Estado, principalmente em Fortaleza, na ocupação de áreas em que antes a polícia não entrava. Procuro dar todo o apoio necessário, na contratação de mais pessoal, de mais equipamento, de mais estrutura e recursos”, afirmou.

O chefe do Executivo também destacou a necessidade de mais investimentos do Governo Federal em políticas nacionais para Segurança Pública. Para ele, apenas com uma estrutura conjunta com trabalho intenso da Forças de Segurança e o cumprimento mais efetivo do papel da Justiça, é possível evoluir no combate à criminalidade. “Não basta só a presença da polícia na rua. É preciso também investigação, colocar os mandantes dos crimes na cadeia, assim como o julgamento deles, para que não haja impunidade. É essa reorganização que precisa ser feita”, concluiu.