Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Assédio em ônibus (Foto: Reprodução)

O número de denúncias registradas de 6 de março a 26 de junho deste ano no botão virtual “Nina”, integrado ao aplicativo Meu Ônibus Fortaleza, evidencia que pelo menos 930 mulheres sofreram assédio em ônibus, pontos de parada e terminais de integração da cidade, uma média superior a oito casos por dia. Os dados são da Secretaria de Conservação e Serviços Públicos (SCSP).

Segundo o levantamento, 56% dos assédios ocorreram dentro dos veículos, 26% em paradas e 16% em algum dose terminais de ônibus. Além disso, 54% foram denunciados pelas mulheres que sofreram assédio e 52% por quem presenciou as agressões. De acordo com a secretaria, as queixas ocorreram, principalmente, entre as 12h e as 21h, tendo pico às 20h.

Dos casos notificados, porém, apenas 77 (cerca de 8%) tiveram o cadastro concluído no aplicativo e chegaram ao conhecimento da Polícia Civil do Ceará. Segundo a SCSP, os dados da ligação do Nina com a Polícia Civil “estão sendo avaliados para estudo dos problemas e planejamento de ações de combate e prevenção

Saiba como denunciar caso de assédio em ônibus, paradas ou terminais de Fortaleza

  1. Baixe ou atualize o aplicativo Meu Ônibus Fortaleza (Android e iOS);
  2. Acione o botão virtual “Denunciar Assédio” e informe o número do veículo, horário e o que aconteceu. Assim, serão solicitados à empresa os vídeos de 30 minutos antes e depois da agressão;
  3. Faça cadastro e login no aplicativo e conclua o processo de denúncia. Só assim as imagens são encaminhadas pelo Sindiônibus à Polícia Civil;
  4. A vítima ou testemunha deve comparecer à Delegacia da Mulher ou da Criança e do Adolescente para finalizar a denúncia, podendo contar com o vídeo como prova do assédio.
  • Um a cinco anos de prisão é a pena para crime de importunação sexual, de acordo com a Lei 13.718/18 61% das agredidas são jovens
  • As mulheres entre 20 e 30 anos de idade são as que mais aparecem como vítimas de assédio no transporte público (61%). Em seguida, 24% têm de 0 a 20 anos; 12%, de 30 a 40 anos; e 3%, mais de 40.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp