Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O mosquito Aedes aegypti é o transmissor das arboviroses dengue, chikungunya e Zika. Com a chegada da estação chuvosa, os locais propícios para a criação do inseto se multiplicam. Por isso, a enquete do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) perguntou, na última semana, se os internautas costumam eliminar os possíveis criadouros dos focos.

Um percentual de 84% (86 votos) dos internautas afirmaram que eliminam as chances de proliferação em qualquer estação do ano. Já 16% (16 votos) disseram que apenas em épocas chuvosas redobram os cuidados no combate ao mosquito. Ao todo, 102 pessoas votaram.

Segundo o Levantamento Rápido do índice de Infestação para Aedes aegypti (LIRAa), realizado pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Fortaleza, dos 119 bairros da Capital, 10 apresentam risco de epidemia das arboviroses. São eles: Guararapes, Conjunto Ceará I, Guajeru, Pedras, Meireles, São Bento, Cambeba, Jacarecanga, Praia do Futuro I e Luciano Cavalcante. Todos com índice de infestação predial acima de quatro pontos na classificação LIRaa, que indica situação de risco. Em Fortaleza, o levantamento é realizado nos meses de fevereiro, junho e outubro.

Combater o mosquito não é função apenas dos governantes, mas também da população. Não acumule água. Coloque areia nos vasos de plantas. Mantenha a caixa d’água vedada. Remova as folhas e galhos das calhas. Não deixe o lixo exposto à chuva. Essas são algumas medidas que podem ser associadas às outras práticas para evitar a reprodução do Aedes. Faça a sua parte!

Já está disponível, no Portal do TJCE, a nova enquete: Em 2 de abril é comemorado o Dia Mundial do Autismo. Você acha que as políticas de saúde pública oferecidas no Brasil para o diagnóstico e tratamento do autismo são eficazes? Participe!

Com informações da A.I