Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Começa a II Capacitação sobre Diagnóstico e Tratamento de Acidentes por Animais Peçonhentos, nesta quarta-feira (26). Realizada pela Secretaria da Saúde (Sesa), por meio do Núcleo de Controle de Vetores da Coordenadoria de Promoção e Proteção à Saúde (Nuvet/Coprom), a capacitação ocorrerá até 27 de julho, a partir das 8 horas, no Auditório Waldir Arcoverde da Sesa, para capacitar médicos e enfermeiros no diagnóstico e tratamento de vítimas de agressão por serpentes, escorpiões, aranhas e abelhas. Estão confirmadas as presenças do Coordenador do Programa Nacional de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos do Ministério da Saúde, Flávio Santos Dourado, e do Coordenador Clínico do Centro de Informações Toxicológicas de Belém e Chefe do Laboratório de Entomologia Médica e Animais Peçonhentos do NMT/UFPA, Pedro Pereira de Oliveira Pardal.

Mesmo evitáveis, os acidentes por animais peçonhentos, particularmente os acidentes com serpentes, foram incluídos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) na lista das doenças tropicais negligenciadas que acometem, na maioria dos casos, populações pobres que vivem em áreas rurais. Em agosto de 2010, o agravo foi incluído na Lista de Notificação de Compulsória do Brasil, pelo alto número de notificações registradas no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), em que os acidentes por animais peçonhentos estão entre os mais notificados. Este ano, a Atualização Semanal das Doenças de Notificação Compulsória da Sesa registra até a semana epidemiológica 28, 1.585 acidentes com animais peçonhentos no Ceará, com dois óbitos, nos municípios de Barreira e Russas.

A melhor forma de evitar acidentes é adotar medidas de prevenção. Por isso é fundamental manter a casa e a área ao redor limpas, uma vez que o lixo e entulhos podem servir de abrigo para muitos destes animais. Também é importante ficar atento à limpeza de armários, já que ambientes escuros e úmidos servem de esconderijos para aranhas e escorpiões. Vedar frestas e buracos em paredes, assoalhos, forros, meias-canas e rodapé, além de utilizar telas e vedantes em portas, janelas e ralos, são outras formas de evitar a presença dos animais peçonhentos. Moradores de área rural e trabalhadores da agricultura não podem deixar de usar luvas e botas ao entrar em matas ou plantações.

Com informação do Governo do Estado do Ceará