Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Os estudantes da Grande Fortaleza e do Interior do Estado, que se preparam para ingressar no ensino superior, passam a enfrentar mais angústia e ansiedade. O anúncio de falência da gráfica RR Donnelley, que desde 2009 imprime as provas do Enem, coloca em risco a realização do exame neste ano.

Aplicadas em novembro, as provas do Enem devem ser impressas até o mês de maio para atender ao cronograma do Ministério da Educação. O trabalho realizado para o Exame Nacional do Ensino Médio não é feito por qualquer gráfica, já que a operação demanda um sistema de segurança reforçado e com entraves logísticos.

A nova preocupação sobre os caminhos do Enem se soma aos desencontros no Ministério da Educação que, em três meses, registra 16 exonerações em cargos estratégicos da pasta. Na semana passada, o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, Inep, Marcus Vinicius Rodrigues, foi demitido pelo ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodriguez. O Inep é o órgão responsável pelo processo de elaboração e aplicação das provas.

Em 2018, o Enem recebeu 5,5 milhões de inscrições. No total, foram impressas 11 milhões de provas. O resultado é a porta de entrada para praticamente todas as universidades do país.