Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Com análise que pode demorar, em média, três anos para ser feita pelo Comitê Nacional para Refugiados, pedidos de estrangeiros que buscam refúgio em Fortaleza se acumulam: segundo dados do Ministério da Justiça e Segurança Pública, 940 solicitações permaneciam ativas até outubro deste ano.

A capital cearense tem sido um dos principais destinos no Nordeste para os que buscam fugir de situações de guerra ou da miséria nos países nativos. Entre 2011 e 2019, mais de mil pessoas solicitaram refúgio em Fortaleza. Oito anos atrás, foram registradas pelo Conare apenas seis solicitações, e o número chegou a 508 em 2018.

Os venezuelanos lideram os pedidos, seguidos pelos africanos de Guiné-Bissau e pelos cubanos. Registros do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados e do Conare mostram que entre 1992 e 2004, pelo menos nove pessoas tiveram o pedido de refúgio na capital cearense reconhecido. Já entre 2014 e 2019, foram 45 deferimentos. De 1992 até outubro deste ano, 101 solicitações foram julgadas pelo Comitê para os Refugiados.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp