Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A empresa Marquise, que nos últimos 25 anos, faz a limpeza da cidade questionou a decisão de Naumi e manteve a coleta de lixo, mesmo sem receber o que considera correto pelo contrato. A Prefeitura manteve o processo licitatório, diminuiu, se comparado com gestores anteriores, o repasse mensal para a Marquise que, mesmo assim, continuou com caminhões e homens nas ruas para recolher o lixo.

A bomba, porém, estava para explodir, o que aconteceu nos últimos 7 dias: os caçambeiros, sem receber pagamento há três meses, decidiram para e, de repente, as montanhas de lixo surgiram por todas as partes da cidade, como pode se observar na avenida Dom Almeida Lustosa, nas avenidas e ruas do Centro, do Icaraí e do Cumbuco.

Os custos da limpeza chamam a atenção de técnicos do Ministério Público Estadual e do Tribunal de Contas do Estado (TCE), responsável pela fiscalização dos recursos que passam pelas Prefeituras e Câmaras de Vereadores. O Portal da Transparência do TCE revela as oscilações dos gastos do município de Caucaia com o recolhimento de lixo.

De acordo com o TCE, nos 10 primeiros meses de 2017, a administração Naumi Amorim, pagou a Marquise a importância de R$ 6.888.883,37. Em 12 meses de 2016, último mandato do então prefeito Washington Goes, o município de Caucaia pagou à Marquise o valor de R$ 13.292.632,2. Em 2015, com menos habitantes, com menos lixo produzido, a mesma Marquise recebeu pelas mãos do então prefeito Goes, a importância de 29.855.033,98.

O vai e vem das despesas com a limpeza pública marcou, também, os exercícios de 2013 e 2014, – dois primeiros anos do mandato de Washington Goes. Em 2013, de acordo com o Portal da Transparência do TCE, Caucaia pagou à empresa Marquise o valor de R$ 8.542.226,56, enquanto no ano seguinte as despesas nessa mesma área deram um pulo para R$ 18.228.765,34.

Após a divulgação da matéria no Jornal Grande Porte na última semana, a prefeitura de Caucaia se manifestou através de nota. Segue, na íntegra, o comunicado.

Nota Oficial: Sobre o serviço de coleta em Caucaia

A Prefeitura de Caucaia informa que já está tomando todas as providências cabíveis para a efetiva limpeza das ruas e logradouros do Município. A partir desta quinta-feira (23/11), a Secretaria de Patrimônio, Serviços Públicos e Transporte (SPSPTrans) inicia um mutirão emergencial de coleta.

A medida é necessária em decorrência da paralisação do serviço por parte da empresa responsável. Interrupção essa que ocorreu sem qualquer comunicado prévio à Gestão Municipal. E que tem gerado prejuízos incalculáveis ao bem-estar do povo caucaiense e riscos à saúde pública.

Pelo zelo que a atual administração de Caucaia tem ao dinheiro público, a Prefeitura iniciou auditoria interna nas faturas apresentadas pela empresa. A Gestão Municipal entende que os valores cobrados pelo serviço de coleta são exorbitantes. Estão bem mais elevados do que o projeto contratado permite. Outras possíveis irregularidades na execução do contrato estão sendo apuradas.

Seria, portanto, irresponsável por parte da Prefeitura executar pagamentos sem a devida cobertura contratual e/ou legal. Logo, enquanto os trabalhos de auditoria estiverem em andamento e o impasse não for solucionado, a coleta de lixo será feita pela SPSPTrans.