Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A Câmara Municipal de Caucaia convocou uma audiência pública pra este sábado (19), para discutir – junto á comunidade, Cogerh e Cagece –  o projeto de perfuração de 35 poços profundos para abastecimento da população e do Complexo Industrial e Portuário do Porto do Pecém. A proposta causou reações contrários em moradores das comunidades de Queimadas, Taíba, Umarizeiras, Siupé e Jenipapeiro, em São Gonçalo do Amarante, e da Câmara de Caucaia já que a água que abasteceria os poços, sairia do Cauipe. Nesta sexta-feira, 18, o vereador de Caucaia, Leo de Zé Almir, que está à frente da situação, foi o entrevistado do Jornal Alerta Geral (Expresso 104,3 FM – Grande Fortaleza e Região Metropolitana + 20 emissoras do Interior do Estado) para explanar mais sobre o assunto.

ENTREVISTA VEREADOR LEO DE ZÉ ALMIR

A guerra foi deflagrada, na última segunda-feira, em Siupé, quando foram apresentados os estudos para a perfuração dos poços e continua agora com um abaixo assinado contra a medida. As comunidades consideram a iniciativa do Governo do Estado como prejudicial as cacimbas usadas hoje para o abastecimento  dos moradores e para pequenas atividades agrícolas.

O receio da população é que, com a perfuração dos poços com alta vazão, a água puxada das cacimbas e usada para o consumo dos moradores e de animais se torne ainda mais escassa. Os estudos para a perfuração dos poços foram realizados pela Superintendência de Obras Hídricas (Sohidra) e Companhia de Gestão de Recursos Hídricos (Cogerh) e fazem parte do projeto do Governo do Estado para criar alternativas ao uso da reserva da Barragem do Castanhão.

A crise hídrica agrava ainda mais a situação dos reservatórios da Grande Fortaleza e Interior do Estado após cinco anos de chuvas irregulares. Com o nível dos reservatórios em queda, o Governo do Estado amplia a perfuração de poços para captação de água destinada ao consumo da população.

A área do Pecém, com grandes empresas em funcionamento, tem aumentado a demanda por água e a saída encontrada pelo Governo do Estado é a perfuração dos poços. O projeto de reserva hídrica prevê a perfuração de 35 poços em São Gonçalo do Amarante com o bombeamento, por meio de uma adutora de 20 km, com vazão de 200 litros por segundo, para o Complexo Portuário do Pecém.

O Secretário de Recursos Hídricos do Estado, Francisco Teixeira, voltou a conversar, nessa quarta-feira, com o Governador Camilo Santana (PT) sobre a reação das comunidades e, ao mesmo tempo, a necessidade urgente da perfuração dos poços profundos. A medida, pelos estudos do Governo do Estado, é inevitável. As comunidades, porém, prometem mais mobilização contra os poços profundos.