Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O bom início da quadra chuvosa deste ano fez com que o nível do açude Castanhão, o maior reservatório do Estado, atingisse o melhor nível desde o ano de 2015, quando o volume de água se aproximou dos 16%. Nesta terça-feira, 12, o Portal Hidrológico do Ceará apontou o Castanhão com 17,72% de volume. Segundo o secretário dos Recursos Hídricos, Francisco Teixeira, as chuvas de março foram intensas principalmente na região do Cariri, ajudando no aporte do açude Castanhão. “O reservatório saiu de pouco mais de 8% para mais de 17%, o que é um aporte representativo, mas vale ressaltar que não trás a garantia para o abastecimento de todos os seus múltiplos usos, sobretudo, o da agricultura irrigada. Temos a garantia para o abastecimento hídrico humano de todo o ano, mas não podemos ter essa garantia para os demais usos”.

Neste primeiro trimestre do ano, o reservatório aportou quase 600 milhões de metros³. Esta foi a maior recarga dentre os 155 açudes cearenses em 2022. Ainda segundo o secretário Teixeira, as chuvas do mês de abril e maio podem aumentar ainda mais o nível dos açudes e, consequentemente, aumentar a garantia hídrica para todo o Ceará para os próximos anos. “O aporte do açude Castanhão melhorou muito a garantia para a Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), ao fim da quadra chuvosa vamos ter uma noção mais real dos aportes e de suas garantias”.

Outro reservatório que também atingiu seu melhor volume hídrico dos últimos sete anos foi o Orós, que é o segundo maior do estado. Atualmente, o açude está com 42,18%.

Situação geral

Atualmente, o Ceará se encontra com 32,11% de aporte nos seus açudes. São 27 açudes sangrando e 5 acima de 90%. A região com maior volume armazenado é a do Coreaú, que aportou 92,9% dos seus reservatórios.

Em contraste, os açudes bacias do Banabuiú e do Curu não tiveram um aporte substancial, aportando até o momento 7,7% e 16,3% respectivamente. O Banabuiú, terceiro maior reservatório do Estado está, atualmente, com apenas 8,29%.

Segundo o secretário Teixeira, essas duas regiões são as que exigem monitoramento mais “minucioso”, “muito embora a situação esteja sob controle e sem risco de desabastecimento”.

(*) com informações da Secretaria de Recursos Hídricos do Ceará

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp