Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O Ministério da Saúde analisa marcar o início da imunização contra a Covid em um evento no Palácio do Planalto no dia 19 de janeiro, após a Anvisa informar que deve decidir no domingo sobre a liberação para uso emergencial de vacinas contra a Covid.

A opção da realização da cerimônia é avaliada pelo Ministério da Saúde, no entanto, ainda há dúvida sobre a realização do evento. A ideia é que a vacinação seja aplicada intercalando entre um profissional da saúde e um idoso.

No Ceará, mais de 1,4 milhão de doses da vacina da Pfizer contra a Covid-19, foram solicitadas pelo governo do estado para a vacinação dos cearenses.

Isolamento Social

Nesta quarta-feira (13), o Ministro da Saúde Eduardo Pazuello defendeu que a população continue a se proteger contra o coronavírus seguindo as orientações das autoridades de saúde.

“Temos que nos cuidar. Temos que seguir as orientações dos gestores. Não adianta lutar contra isto”, disse Pazuello após afirmar que todos têm que colaborar para que o país consiga superar a doença.

Vacinas

Uma missão coordenada pelo Ministério da Saúde vai até a Índia para buscar dois milhões de doses da vacina contra a covid-19 desenvolvida pelo consórcio da farmacêutica britânica AstraZeneca e da Universidade de Oxford. O lote foi fabricado pelo laboratório indiano Serum.

A missão sai amanhã (14) em um avião que parte da cidade do Recife e fará uma viagem de 15 horas de duração até a cidade indiana de Mumbai. A aeronave deve retornar ao Brasil no sábado (16). A chegada será no Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro.

Segundo o Ministério da Saúde, os documentos de importação já estão prontos. O procedimento compreenderá apenas a chegada ao país e o carregamento das doses. A carga está estimada em 15 toneladas.

A distribuição da vacina, contudo, só poderá ocorrer após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) dar a autorização em caráter emergencial. O órgão avalia o pedido feito pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que firmou parceria com a AstraZeneca e a Universidade de Oxford.

(*) Com informações da Agência Brasil.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp