Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Cerca de 14 moradores do edifício  que foi demolido por completo no dia 1º de julho na Maraponga pedem indenização estimada em R$ 2 milhões por conta dos danos morais e materiais em consequência da demolição do prédio. Requerida por meio de uma ação coletiva, os advogados que defendem cerca de oito famílias protocolaram o pedido nesta quarta-feira (24).

Para realizar a auditoria do levantamento, o advogado Túlio Vilanova, explicou que os moradores fizeram uma lista do que foi perdido valendo-se notas fiscais e extratos de cartão de crédito.

Com relação aos danos morais, a gente sugere ao juiz que, se os réus forem condenados, (seja aplicado) um valor de três vezes ao do dano material, contou Túlio Vilanova.

Conciliação

O advogado Túlio Vilanova disse que pode ser feita uma reunião de conciliação, entre os moradores e os proprietários do prédio. “Após a gente dar entrada, o juiz vai analisar essa petição e o próximo passo é convidar os réus para que eles possam apresentar a sua defesa”, conclui.

O advogado Gerônimo Abreu, que acompanha o caso para a defesa dos proprietários do edifício, aguarda notificação sobre o pedido de indenização. Gerônimo disse, ainda, que cerca de oito famílias que residiam no prédio já estão em acordo direto com os donos.