adobe photoshop cc 2017 install windows 7 free windows 10 iso download reddit free windows server 2012 r2 standard evaluation iso free nero platinum 2017 multimedia suite software free how to use adobe photoshop elements 10 editor free dell touchpad software windows 10 f lux for windows 10 free

O Ministério Público (MP) da Colômbia negou nesta quarta-feira (8) ter provas que confirmem o uso de dinheiro de propina paga pela Odebrecht na eleição presidencial de 2014 no país. A declaração é uma resposta às informações divulgadas na véspera pela própria promotoria, que ligaram a construtora brasileira ao financiamento da campanha da reeleição do presidente Juan Manuel Santos. As informações são da Radio France Internationale.

O Ministério Público da Colômbia havia informado ontem (7) que parte de uma propina que a empreiteira brasileira pagou a um ex-senador colombiano teria sido destinada à campanha de reeleição de Santos. O ex-congressista Otto Bula, acusado de favorecer a Odebrecht na obtenção do contrato de uma obra pública, “realizou durante o ano de 2014 duas remessas para a Colômbia (…) na soma total de US$ 1 milhão, cujo beneficiário final teria sido o comitê de campanha” de Juan Manuel Santos, disse o procurador-geral, Néstor Humberto Martínez, à imprensa.

Porém, nesta quarta-feira ele mudou seu discurso. “Não temos provas físicas da entrega de dinheiro”, declarou. Segundo ele, o inquérito se baseia apenas no depoimento de Bula, feito sob juramento. Mas, para o procurador, isso já “é prova suficiente” para que o MP solicite ao Conselho Nacional Eleitoral que investigue se ocorreram irregularidades no financiamento da campanha.

No entanto, segundo o procurador, o ex-congressista “não vincula em nada o senhor presidente”. O governo negou as acusações na terça-feira, alegando se tratar de uma estratégia dos grupos próximos a seu rival político, Álvaro Uribe.

Hoje (8) o presidente colombiano pediu que as autoridades averiguassem o caso. “Solicito ao Conselho Nacional Eleitoral uma investigação a fundo o mais rápido possível para que se torne pública toda a verdade no caso Odebrecht”, escreveu Juan Manuel Santos em sua conta no Twitter.